Michelle Bolsonaro disse em março que Deus provaria que Milton Ribeiro é honesto

Primeira-dama Michelle Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Primeira-dama Michelle Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

A primeira-dama Michelle Bolsonaro disse em 28 de março, após a exoneração do então ministro da Educação, Milton Ribeiro, que confiava muito no pastor presbiteriano. Ela chegou a afirmar que “Deus vai provar que ele é uma pessoa honesta”.

"Posso dizer que eu amo a vida dele, tá?”, falou. "Deus sabe de todas as coisas e vai provar que ele é uma pessoa honesta, e justa, e fiel e leal”, acrescentou.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) também defendeu o ex-chefe do MEC e afirmou que “colocaria a cara no fogo” pelo aliado. A declaração foi dada durante uma das transmissões ao vivo do presidente, mesmo mês no qual Ribeiro deixou o Ministério da Educação após suspeitas de lobby de pastores evangélicos na pasta.

A Polícia Federal realizou na manhã desta quarta-feira (22) uma operação contra Milton Ribeiro e pastores suspeitos de operar um balcão de negócios no Ministério da Educação e na liberação de verbas do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). Ribeiro e ao menos um dos pastores, Gilmar Santos, já foram presos.

A ação foi batizada de Acesso Pago e investiga a prática de "tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos públicos" do FNDE.

Como mostrou o jornal Folha de S. Paulo, os pastores negociavam com prefeitos a liberação de recursos federais mesmo sem ter cargo no governo. Prefeitos relataram pedidos de propina, até em ouro.

Em áudio revelado pelo jornal, o ex-ministro da Educação disse que priorizava pedidos dos amigos de um dos pastores a pedido de Bolsonaro.