Primeira-dama estuda implantar projeto no MEC para Libras nas escolas

A primeira-dama recebeu na terça-feira o deputado federal Diego Garcia, que é relator dessa matéria na Câmara. (Foto: Evaristo Sá/AFP/Getty Images)

A primeira-dama Michelle Bolsonaro estuda implantar seu primeiro projeto desde que chegou ao Planalto. A esposa do presidente Jair Bolsonaro deseja instituir nas escolas o ensino do curso de Libras (Linguagem Brasileira de Sinais).

As informações são da revista Veja.

Em tratativas já avançadas, a primeira-dama recebeu nesta terça-feira (28) o deputado federal Diego Garcia (Podemos-PR), que é relator dessa matéria na Câmara.

Leia também

O parlamentar e Michelle analisam a possibilidade de Bolsonaro elaborar um decreto presidencial sobre a medida. Apesar das conversas avançadas, a ideia já havia sido ventilada pela primeira-dama em abril deste ano, em entrevista à TV Ines, canal bilíngue brasileiro com conteúdo acessível a surdos e ouvintes.

"Essa é minha luta, é minha bandeira. Eu acredito que nós vamos conseguir inserir a Libras na grade curricular. Eu estou em contato com os ministros, estou em contato com o MEC. Hoje nós já temos a Diretoria de políticas de educação bilíngue de surdos no MEC, que não existia antes. Então isso vai ajudar, vai ter um impacto muito grande na acessibilidade", defendeu a primeira-dama, na ocasião.

A bandeira de Michelle tomou proporções nacionais quando, na posse presidencial, traduziu o discurso do marido para a linguagem de sinais. "Eu recebi várias mensagens de amigos surdos, familiares agradecendo justamente essa visibilidade que eu dei à comunidade surda porque era uma classe esquecida, menosprezada".

A princípio, o MEC (Ministério da Educação) deve começar uma experiência dessa em 30 escolas.