Michelle Obama conta em livro ter ouvido que 'não fazia o tipo de Princeton'

Andréa Martinelli

A ex-primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, nem sempre ocupou lugares de prestígio e reconhecimento internacional como hoje. Tampouco entrou em uma faculdade e conseguiu se formar sem carregar consigo um marcador social. "Eu precisava dos meus amigos negros. Ajudávamos e apoiávamos uns aos outros. Muitos tinham chegado à faculdade sem sequer ter a noção de nossas desvantagens", escreve em seu novo livro Minha História (Editora Objetiva), lançado mundialmente nesta semana.

Michelle escreve que, do seu ponto de vista, "era impossível ser uma estudante negra de uma faculdade de maioria branca e não sentir a sombra da ação afirmativa". Isso porque, em meados de 1980, ela não só era a única aluna negra de sua sala do curso de sociologia em Princeton, mas também a segunda integrante de sua família a cursar uma universidade. "Eu quase conseguia ver o escrutínio no olhar de certos estudantes e até de certos professores, como se quisessem dizer: 'Eu sei por que você está aqui'", lembra.

Escrever foi uma profunda experiência pessoal.Michelle Obama, em seu Twitter

O livro de memórias faz parte de um acordo editorial conjunto com Barack Obama.

O livro, traduzido para mais de 28 idiomas, começou a ser vendido na última terça-feira (13) e mostra uma Michelle sem medo de revisitar o passado e tocar em feridas. Ela escreve abertamente não só sobre sua infância humilde no sul de Chicago e de sua relação com Barak Obama, mas também sobre enfrentar o racismo na vida pública e de sua incredulidade ao ser a primeira primeira-dama negra dos Estados Unidos, de 2009 até 2017. Ela também classifica a campanha de Donald Trump como "preconceituosa e perigosa".

A publicação faz parte de um acordo editorial conjunto com Barack Obama. As memórias do ex-presidente também serão publicadas em breve. Parte dos ganhos serão doados para instituições, incluindo a Fundação Obama. Para divulgar seu livro, Michelle Obama fará uma turnê durante o país durante novembro e dezembro. A obra impressa custa R$ 59,90 e o...

Continue a ler no HuffPost