Michelly X cria fantasias de carnaval para estrelas como Xuxa e Ivete que podem custar até R$ 80 mil

Gilberto Júnior
Michelly X com uma de suas fantasias

Era quase meia-noite quando finalmente a estilista Michelly X tirou o pé do acelerador naquela quarta-feira, que de cinza não tinha nada. Em ritmo enlouquecido de carnaval, a paulistana, de 47 anos, estava trabalhando horas a fio em looks únicos para Ivete Sangalo, Léo Santana, Anitta e Preta Gil se apresentarem em cima de trios elétricos. “Minha relação profissional com a festa começou em 2001. Lá atrás, fazia tudo sozinha: modelava, cortava, costurava e aplicava brilho. Agora, tenho uma equipe para me ajudar. Mas coloco a mão na massa sempre que é preciso”, comenta a designer, que vem acompanhando de perto a pré-folia da atriz Paolla Oliveira, rainha de bateria da Grande Rio.

Para o retorno de Paolla ao posto de soberana dos ritmistas da tricolor de Caxias, Michelly, com uma carreira de 25 anos que vai além do carnaval, cuidou das produções que a atriz usou na coroação e no videoclipe do samba-enredo. Será de sua autoria também a peça com que a estrela surgirá no ensaio técnico, na Sapucaí. “Mas não serei a responsável pela fantasia do desfile à vera”, adianta. “Prefiro que seja assim. Há muitas restrições de materiais atualmente e fica complicado executar alguns projetos com essas limitações.”

E há outro detalhe. Num passado recente, Michelly foi estilista da Grande Rio e sambou para lidar com o ciúme das famosas. “Elas queriam atenção exclusiva. Se estava com uma, eu inventava uma ida ao banheiro para apoiar a outra. Era realmente insano. Por causa disso, tomo remédio até hoje para me acalmar. O mundo pode desabar amanhã que deito e durmo sem dramas.”

Entre os clientes, Michelly não esconde sua admiração por Xuxa Meneghel — para quem já desenvolveu inúmeros figurinos. O “X” do seu nome, inclusive, é em homenagem à apresentadora. “Por ser transexual, achei que a letra daria um ar meio misterioso. Xuxa é a inspiração da minha montagem, a razão dos meus cabelos louros. Essa parceria é um sonho realizado.”

Depois da quarta-feira de cinzas, a designer autodidata, que chega a cobrar R$ 80 mil por uma de suas “preciosidades”, pretende tirar do papel uma coleção de prêt-à-porter para vender on-line. “Não lanço tendências. Faço moda lúdica para shows e propagandas. O exercício será interessante.”