Em Michigan, democratas debatem quem será melhor para vencer Trump

Por Michael Mathes
Bernie Sanders está na retaguarda depois que seu rival Joe Biden acelerou na corrida presidencial democrata

Bernie Sanders tem a oportunidade de retomar o seu lugar na corrida presidencial democrata caso seja vencedor na próxima terça-feira em Michigan, um estado industrial chave para as eleições em 2016, mas sua posição ficou para trás depois que antigos rivais decidiram apoiar o ex-vice-presidente Joe Biden.

O lugar ocupado por Sanders na disputa é complicado, porque os eleitores avaliam seriamente se devem votar nele ou em Biden para vencer Trump em novembro. A situação é difícil para o senador de esquerda, porque ele foi ofuscado depois que Biden ganhou de forma decisiva na Carolina do Sul e foi apoiado por outros rivais que abandonaram a disputa pela presidência.

O momento será decisivo para Sanders caso consiga reverter o cenário, como forma de fortalecer e demonstrar sua força entre os eleitores brancos da classe trabalhadora como mostrou em 2016, quando obteve uma impressionante vitória nas primárias democratas em Michigan, que lhe deu forças para seguir até o final da corrida presidencial, quando acabou sendo ultrapassado por Hillary Clinton.

Porém, se o socialista democrata, de 78 anos, não conseguir ganhar nesse estado do centro oeste e conseguir se aproximar de Biden, isso poderá acabar com as suas chances.

Esse é um distrito eleitoral crucial, que em 2016 ajudou Trump a vencer as eleições presidenciais por seu triunfo em uma área tradicionalmente democrata, e com o apoio fundamental dos trabalhadores da indústria automobilística que estavam decepcionados com o governo.

A governadora de Michigan, Gretchen Whitmer, defende que Biden é o candidato que pode conquistar esses trabalhadores, por causa da sua intervenção realizada em 2008, na qual buscou recuperar essa fragilizada indústria.

"Qualquer pessoa que esteja dentro ou se veja afetada por essa indústria, ou seja, todos nesse estado, devem pensar até onde fomos e quem nos apoiou, principalmente durante a época da recuperação da indústria automotiva", ressaltou Whitmer à AFP no último domingo, em Detroit.

"Esses foram Barack Obama e Joe Biden", acrescentou.

- "Traído" -

Em 2016, Sanders ganhou espaço entre os eleitores brancos e a classe trabalhadora que se sentia ignorada por Washington e os democratas que estavam no poder.

No entanto, na Superterça democrata da última semana, Biden foi vencedor nos 10 dos 14 estados onde os eleitores votaram, incluindo as vitórias decisivas em Massachusetts, Maine e Minnesota, com um eleitorado majoritariamente branco.

Outros seis estados votarão na próxima terça-feira, incluindo os estados de Michigan e Missouri.

Ambos são importantes, mas para demonstrar que segue forte na corrida Sanders precisa vencer em Michigan, onde seu oponente lidera a maioria das pesquisas.

Sanders descartou os discursos de campanha programados para o Mississipi e Illinois, aumentando compromissos eleitorais em Michigan, incluindo uma manifestação no domingo na Universidade de Michingan, onde convidou os eleitores jovens a se posicionar.

"Apoio o Bernie porque sinto que conseguirá muitos eleitores que Trump ganhou em 2016", disse Alvin Hermans, estudante de informática, de 19 anos.

Mas o apoio de Sanders entre os eleitores brancos nas zonas rurais, socialmente conservadores, tem mostrado diminuição.

Agora está buscando aumentar o apoio entre os sindicatos como o United Auto Workers, cujos membros chegaram a um acordo com a General Motors no último ano, depois de uma paralisação decisiva ocasionada por motivos como os gastos médicos exorbitantes.

Tony Totty, de 44 anos e membro desse sindicato, acredita que as propostas em relação ao cuidado médico levou muitos colegas de trabalho a trocar a escolha de Trump para Sanders.

O fechamento de uma importante fábrica da GM, em 2019, também frustrou a promessa de Trump de gerar empregos na região.

"Em nossas fábricas, tenho muitos companheiros que se sentem traídos, e no momento das eleições suas vozes serão escutadas", disse Totty, do estado de Ohio.

Totty esteve em Monroe, em Michigan, para apoiar os membros do sindicato Teamsters no domingo durante uma greve por causa de motivos similares.

Um dos caminhoneiros participantes da greve, James Focht, disse acreditar que um candidato de centro poderia ser mais viável do que alguém como Sanders.

"Acredito que haja um meio termo a ser levado em conta", disse.

"Talvez Joe Biden possa fazer isso", opinou.

- Pouca participação dos moderados? -

Eric Read, um profissional de serviço social clínico, assistiu o comício de Sanders no último sábado em Flint, considera que ser moderado pode ser um erro.

"Quando os democratas se mostram mais moderados não conseguem obter a participação como quando tem um candidato mais inclinado à esquerda", argumentou Read.

Sanders é "quem pode vencer Trump", disse o homem de 34 anos.

O caminhoneiro Craig Walker de Dundee, Michigan, disse que apoia Trump e que a nomeação de Sanders facilitaria a reeleição do republicano, porque seria muito fácil categorizá-lo de socialista.