Mick Jagger e Will Smith arrecadam fundos contra coronavírus em show virtual

Estrela de Bollywood Shah Rukh Khan durante show virtual "I For India", retransmitido por Facebook e projetado em uma televisão em Nova Delhi, em 3 de maio de 2020

O "rei de Bollywood" da Índia, Shah Rukh Khan, junto com estrelas internacionais como o ator Will Smith e a lenda do rock Mick Jagger, fez um concerto on-line de quase cinco horas neste domingo para arrecadar fundos para os afetados pela pandemia de coronavírus.

Dezenas de milhares de usuários acompanharam o evento, no qual participaram mais de 70 celebridades do país, como o capitão da equipe nacional de críquete, Virat Kohli, junto com artistas de todo o mundo, no programa "I for India" ("Eu pela Índia"), transmitido no Facebook.

"Eu posso, vou e devo ajudar", disse Khan depois de cantar uma música humorística explicando que, após a crise, "tudo ficará bem".

Jagger e Smith discutiram as dificuldades que os trabalhadores rurais migrantes estão enfrentando, muitos dos quais perderam o emprego e agora estão morrendo de fome por causa do confinamento imposto desde o final de março para conter a progressão da epidemia.

"Eles podem ter perdido seus empregos, podem ter perdido suas casas. Eles e suas famílias podem estar com fome. Então, eu gostaria de pedir a vocês que doem. Por favor, doem o que puderem", pediu Mick Jagger, cantor dos Rolling Stones.

O show foi organizado pelos diretores de Bollywood Karan Johar e Zoya Akhtar e conseguiu arrecadar até agora 37,5 milhões de rúpias (cerca de 500 mil dólares), pouco mais da metade da meta de 60 milhões de rúpias.

Os recursos arrecadados serão doados a mais de 100 grupos que fornecem comida e outros serviços essenciais durante a crise.

Esse dinheiro é necessário para ajudar "todos aqueles que não têm emprego ou casa e que não sabem onde conseguirão a próxima refeição", explicaram os organizadores.

O confinamento imposto em 25 de março e, pelo menos até 17 de maio, aos 1,3 bilhão de indianos deixou milhões de trabalhadores em risco e golpeou a terceira maior economia da Ásia.

Neste domingo, o país registrou mais de 40.000 casos de COVID-19 e 1.306 mortes.