Microsoft deverá anunciar cortes na área de engenharia, em semana de demissões nas Big Techs

A Microsoft deverá anunciar cortes de empregos na área de engenharia, em mais uma semana difícil para as Big Techs. As demissões podem ocorrer ainda na manhã desta quarta-feira, de acordo com o Wall Street Journal. E a Amazon deverá dar início à maior rodada de cortes de sua história (até 18 mil postos), com foco nas áreas de varejo e recursos humanos, segundo a Bloomberg. A perspectiva de largas demissões é mais um capítulo da crise enfrentada pelo setor de tecnologia, diante do cenário econômico global desafiador e queda de investimentos.

Após inferno astral em 2022: Gigantes de tecnologia têm desafio de cortar custos e lançar novos produtos

Crise das startups: Aplicativo 99 demite dezenas de funcionários no Brasil

A emissora de televisão Sky News fala em cortes de cerca de 5% da força de trabalho da Microsoft, o que representaria aproximadamente 11 mil empregos da força de trabalho de cerca de 200 mil funcionários.

Em novembro, Meta, Twitter e Amazon demitiram juntas quase 26 mil profissionais. Ao final dos resultados do terceiro trimestre, Alphabet (dona do Google), Amazon, Meta (dona do Facebook) e Microsoft perderam mais de US$ 350 bilhões em valor de mercado.

Crise no setor

As demissões têm afetado empresas de todo o setor de tecnologia. A Salesforce, fornecedora de software comercial, anunciou esse mês planos de demitir 8 mil funcionários (10% de sua força de trabalho, o que seria a maior redução de pessoal de sua história). A Unity, por sua vez, demitiu 284 funcionários. A desenvolvedora de software de jogos já havia anunciado demissões em junho, quando cortou cerca de 225 empregos.

Desafios técnicos: Apple adia lançamento de óculos de realidade aumentada

Os cortes na Microsoft, lembra o WSJ, ocorre uma semana antes de a empresa detalhar seus últimos ganhos trimestrais. No final do ano passado, a gigante do software dos EUA disse que uma forte queda nas vendas de computadores pessoais e a valorização do dólar estavam pesando na expansão. A receita da empresa no terceiro trimestre cresceu 11% em relação ao ano anterior, o número mais fraco em mais de cinco anos.

Investimento em IA

A perspectiva de novas demissões na Microsoft , contudo, pode esfriar os recentes anúncios de investimentos por parte da empresa que despertam atenção neste início do ano. A empresa negocia aumentar o investimento na startup OpenAI e já anunciou que prevê adicionar o bot de inteligência artificial ChatGPT da empresa à sua plataforma baseada em nuvem Azure, o que mostra o apetite da empresa pela vanguarda do mercado de inteligência artificial.