Microsoft exige vacinação de funcionários em meio a retorno lento aos escritórios

·1 minuto de leitura
Sede principal da Microsoft, em Redmond, Washington

A Microsoft se somou nesta quinta-feira à lista de empresas de tecnologia que exigirão que seus funcionários que retornarem aos escritórios estejam vacinados, enquanto a Amazon adiou para o ano que vem a retomada do trabalho presencial.

A data prevista para a reabertura total da sede da Microsoft é 4 de outubro, segundo a gigante da informática, vizinha da Amazon no estado de Washington. "A partir de setembro, também exigiremos o comprovante de vacinação de todos os funcionários e visitantes que entrarem nos prédios da empresa nos Estados Unidos", acrescentou.

A Microsoft e outras empresas de tecnologia anunciaram que acompanham de perto a evolução da pandemia e adaptam seus planos à medida que a situação muda, tendo a saúde dos funcionários como prioridade.

A gigante do comércio eletrônico Amazon confirmou que adiou o retorno de seus funcionários para janeiro, em vez de setembro, como se esperava. “Exigimos que os funcionários usem máscara em nossos escritórios, com exceção daqueles que comprovem estar completamente vacinados", informou a empresa à AFP.

Google e Facebook informaram na semana passada que os funcionários que retornarem aos escritórios deverão estar vacinados. A Microsoft informou que irá acomodar os funcionários que não tiverem se vacinado por motivo médico ou religioso.

O medo de uma nova onda da pandemia também atrasa o retorno do setor financeiro ao trabalho presencial. A gigante dos investimentos Black Rock avisou a seus trabalhadores nos Estados Unidos que prorrogou seu "período de aclimatação" por um mês a partir de outubro.

Wells Fargo e US Bank também adiaram o retorno aos escritórios, segundo a rede de TV CNN.

gc/bfm/dl/ll/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos