Mike Tyson, Kobe Bryant e mais: relembre outros atletas acusados de estupro

Não é incomum que atletas estampem as páginas policiais depois de serem acusados de violência contra a mulher. Além de Daniel Alves, que atualmente está preso na Espanha por uma acusação de estupro cometida no país no dia 30 de dezembro, outros nomes famosos do futebol, como Neymar, Cristiano Ronaldo e Robinho também já precisaram responder na justiça por crimes desta natureza. Mas outros casos, de atletas de diferentes esportes, também já foram noticiados.

Kobe Bryant

Em 2003, uma funcionária de um hotel em Las Vegas denunciou um estupro cometido pelo jogador de basquete em uma das suítes do estabelecimento que ela trabalhava. Ela relatou que o esportista pediu que ela mostrasse mais detalhes da acomodação, e quando a levou para um quarto sozinha, a estuprou e a ameaçou para que ela não contasse nada para ninguém.

Ela foi até um hospital, onde foi atendida e realizaram exames periciais que comprovaram ferimentos na região genital da jovem de 19 anos, o que comprovava o depoimento de que o jogador cometeu uma relação sexual forçada. O caso ganhou notoriedade, e depois de meses sendo perseguida pela mídia, a jovem retirou a queixa criminal, deixando apenas um processo civill.

Kobe Bryant adimtiu ter tido relações sexuais com a jovem, e depois de pedir desculpas no tribunal para ela, sua família e a própria esposa. "Apesar de acreditar que o que aconteceu foi consesual, eu percebi que ela não viu dessa maneira. Depois de meses analisando as evidências, ouvindo o advogado da vítima e seu depoimento, agora eu entendo que ela não consentiu ao acontecimento", afirmou. Ele continuou a jogar na NBA, onde se consolidaria como um dos maiores ídolos da liga.

Mike Tyson

Em 1991, Mike Tyson foi acusado de estupro por uma jovem de 18 anos que competia no concurso Miss Black America. De acordo com ela, eles se conheceram durante uma visita do boxeador, na época com 25 anos, em um ensaio de uma versão do concurso em Indiana, estado onde ela havia sido coroada miss.

A jovem relatou que Tyson a convidou para ir para seu hotel para conversarem, e lá a estuprou. Ela foi atendida no pronto-socorro de um hospital local depois do ato, onde foram feitos os exames de corpo delito. Seis meses depois, o boxeador foi condenado a seis anos de prisão, mas saiu em 1995, depois de ter cumprido metade da pena, por bom comportamento. Ele sempre negou as acusações, e apesar de ter sido condenado por estupro, sua carreira não foi prejudicada.

Ben Roethlisberger

O jogador de futebol americano foi denunciado por estupro por duas mulheres, uma em 2009 e outra em 2010. O primeiro caso aconteceu em um hotel no estado de Nevada, nos EUA, quando o atleta da NFL chamou a funcionária do estabelecimento em que estava para o quarto para consertar a TV. De acordo com o depoimento, ela chegou lá e foi forçada a continuar no ambiente quando o jogador a estuprou. Ela entrou com um processo civil contra o hotel e mais outros funcionários, que ela afirmou terem ajudado a acobertar o caso, que foi resolvido na esfera cível em 2012.

No ano seguinte, outra mulher também denunciou o jogador à polícia. A estudante universitária relatou que estava com amigos em um bar quando um segurança do jogador a levou para um ambiente fechado do local. Ao chegar lá, encontrou o atleta com o pênis para fora da calça, e tento fugir, entrando pela primeira porta que encontrou. Ela conta que acabou em um banheiro, onde o jogador a estuprou e foi embora. A estudante resolveu retirar a queixa e não prosseguir com o caso por medo da exposição que já sofria. Em 2015, a revista Forbes colocou o jogador em 11º lugar da lista dos atletas mais bem pagos do mundo.

Ben Johnson

Em 2016, o jogador de hóquei da NHL, Ben Johnson, aos 18 anos estuprou uma menor de idade, de 16 anos, em um banheiro de uma boate. A adolescente foi encontrada desacordada e com sangramentos na vagina. Ele foi condenado a 3 anos de prisão, já em 2022, e foi demitido do time que fazia parte, o New Jersey Devils.

Em seu depoimento, o jogador tentou se defender afirmando que a adolescente havia bebido demais e também mencionou a maneira como ela estava vestida e como dançava. Em resposta, o juiz que condenou Johnson afirmou que "nada disso dá o direito de violar uma mulher".