Mikhail Mishustin, diretor da Receita russa, a um passo de se tornar primeiro-ministro

1 / 2
O diretor da Receita Federal russa, Mijail Mishustin, se reúne com o presidente Vladimir Putin no Kremlin, em 21 de novembro de 2019

Alto funcionário até então desconhecido pela opinião pública, Mikhail Mishustin foi designado nesta quarta-feira (15) ao cargo de primeiro-ministro pelo presidente Vladimir Putin. Mishustin está há dez anos à frente do serviço de arrecadação fiscal russo, função na qual obteve fama por sua eficácia profissional.

O engenheiro, de 53 anos, substituirá o ex-primeiro-ministro Dimitri Medvedev, que renunciou ao governo após Putin anunciar que prosseguirá com os planos de realizar reformas na Constituição.

Como prova do anonimato, em sua página no Wikipedia, Mishustin só tinha informações escritas em russo.

"Criou o melhor sistema de arrecadação de impostos do mundo", anunciou a emissora pública Rossiya-24, sobre o diretor do órgão fiscal russo.

Seja ou não uma informação verdadeira, Mishustin reestruturou e digitalizou a Receita, antes temida por sua enorme burocracia.

Formado em Engenharia no final dos anos 1980, o chefe da Receita russa passou a integrar o governo como vice-presidente do serviço de impostos em 1998.

- "Muito cedo" -

Apreciado por Putin, o alto funcionário é sempre visto ao lado do presidente russo.

Ainda é "muito cedo" para enxergá-lo como um possível sucessor do presidente russo, ressalta a especialista em política Ekaterina Schulmann à AFP, acrescentando que considera Mikhail Mishustin "uma figura ideologicamente neutra".

Segundo vários especialistas, ele está próximo do ex-ministro da Economia Alexei Kudrin, um dos mais respeitados na Rússia, pertencente ao clube dos "liberais", em oposição ao clã "siloviki", dos serviços de segurança.

Casado e pai de três filhos, o diretor da instituição fiscal apareceu em 54º lugar dos funcionários mais bem pagos na Rússia em 2015, segundo a revista Forbes, com receita de 183,31 milhões de rublos (cerca de R$ 12,5 milhões).