Milícia pode estar por trás de ataque a ex-candidato a deputado que desapareceu após ser colocado em porta-malas

A Polícia Civil investiga o envolvimento da milícia no ataque a tiros ao ex-candidato a deputado estadual Fábio da Silva Travassos, de 48 anos, conhecido como Fábio Charuto, na tarde dessa quinta-feira, em Curicica, na Zona Oeste do Rio. A possível participação do grupo paramilitar que atua no bairro onde ocorreu o crime é uma das linhas de investigação da 32ª DP (Taquara), responsável pelas investigações. Depois de baleada, a vítima foi levada pelos criminosos no porta-malas de um veículo e ainda não foi encontrada.

Estelionato, furto e corrupção: Golpista preso após enganar modelos em hotel de Copacabana vira réu

Na Zona Norte: Polícia prende três chefes do crime organizado e apreende 11 fuzis no Campinho

Fábio é ex-presidente da Associação de Moradores do Campo do 15, em Curicica, e foi candidato a deputado estadual pelo Patriotas nas eleições de 2022. De acordo com o delegado titular da 32ª DP, Leandro Gontijo, testemunhas ouvidas não relataram qualquer ameaça sofrida pela vítima ou desavença recente.

Droga na mala: Mulher é presa no aeroporto internacional do Rio com 1,1 milhão em skunk

Fábio Charuto foi baleado na esquina da Travessa da Creche 35 com avenida Ayrton Senna quando esperava para ser atendido num barbeiro. Ele foi abordado por dois homens armados. Segundo informações da polícia, os criminosos usavam toucas ninja, recolheram as cápsulas do chão e jogaram areia no local onde havia sangue da vítima. Em seguida, colocaram Fábio no porta-malas do carro. Não há câmeras no local. De acordo com o delegado, a vítima abriu uma empresa de segurança há cerca de um mês.

Tortura: 'Eles sentiam prazer enquanto me batiam', diz pintor espancado em bar de São Gonçalo

Fábio foi candidato a deputado estadual nas eleições de 2022 pelo Patriota, mas não se elegeu. Ele teve um total de 424 votos. Para a Justiça Eleitoral, Fábio informou ser comerciante. Em suas redes sociais há postagens em que ele se apresenta como “Fábio Charuto do Insulfim”, referência ao ramo de instalação de películas protetoras nos vidros de veículos no qual vinha atuando.