Milhares continuam a fugir de cidade ucraniana que "vive às escuras"

Kherson tem estado na mira das tropas russas. Os ataques são constantes e agressivos, mas há quem insista em ficar, nem que a janela de casa seja a única porta de entrada. Mas são muitos mais os que fogem da cidade.

Com um inverno rigoroso e sem energia, muitos acabam por ceder e abandonar a cidade.

Viktor Mironov, Voluntário do "Viking", uma organização que ajuda os mais vulneráveis, acredita que Kherson pode tornar-se "na segunda Mariupol".

"Precisamos de tirar o maior número de pessoas possível. Não há eletricidade, água e comida.", diz. "É preciso ajuda. Os hospitais precisam de ajuda, precisam de remédios. Precisamos de fazer o máximo que pudermos para que nosso povo tenha um lugar aconchegante para ficar e receber tudo o que precise", conclui Viktor Mironov.

Os dias e noites têm sido de partida. Milhares deixam tudo e fogem para outras partes da Ucrânia. Nas estradas, há autenticas caravanas de quem procura uma vida normal.