Milhares de gregos protestam contra a vacinação obrigatória de profissionais de saúde

·1 minuto de leitura
Manifestação contra a vacinação obrigatória para profissionais de saúde, em Atenas, em 29 de agosto de 2021 (AFP/Louisa GOULIAMAKI)

Cerca de 7.000 pessoas protestaram neste domingo(29) na Praça Syntagma, no centro de Atenas, contra a obrigatoriedade da vacinação dos profissionais de saúde, que entra em vigor na quarta-feira.

“Não somos contra as vacinas, mas contra o fascismo” e “Viva a democracia!” diziam as faixas dos manifestantes, que também carregavam bandeiras gregas.

“É incrível que eu seja suspenso do trabalho porque me recuso a ser vacinado, quando há meses ajudo a conter a epidemia, trabalhando em condições muito difíceis”, disse Christos Bakakios, motorista de ambulância.

Para Lina, uma enfermeira que pediu anonimato, "o sistema de saúde grego entrará em colapso se o pessoal de saúde que se recusar a ser vacinado for colocado em desemprego parcial".

“Os hospitais já estão sobrecarregados, não faria sentido”, disse ela.

O governo grego decidiu tomar medidas para incentivar a população a se vacinar contra a propagação da variante delta do coronavírus.

Entre os pacientes intubados, 99% não foram vacinados. Desde 16 de agosto, os funcionários de lares de idosos estão obrigados a se imunizar.

Mais de 5,7 milhões dos 10,7 milhões de habitantes da Grécia estão totalmente vacinados, mas há a preocupação com a disseminação da variante delta no país.

Mais de 13.600 pessoas morreram pelo coronavírus na Grécia.

mr/sba/mis/me/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos