Milhares de manifestantes pedem novas eleições na Geórgia

·1 minuto de leitura
Georgianos protestam na capital Tbilisi contra o partido governante liderado pelo bilionário Bidzina Ivanishvili, que venceu as eleições de 31 de outubro com uma margem de 2%
Georgianos protestam na capital Tbilisi contra o partido governante liderado pelo bilionário Bidzina Ivanishvili, que venceu as eleições de 31 de outubro com uma margem de 2%

Milhares de opositores foram às ruas, neste domingo (8), na Geórgia, para exigir novas eleições, acusando as autoridades de terem fraudado as anteriores em favor do partido no poder. 

Segundo dados oficiais, o partido Sonho Georgiano, liderado pelo bilionário Bidzina Ivanichvili, venceu as eleições de 31 de outubro com pouco mais de 48% dos votos, derrotando todos os adversários.

As formações de oposição ao governo denunciaram fraudes e se recusam a entrar no parlamento, aumentando o temor de uma nova crise política neste país, onde as eleições são frequentemente agitadas e regularmente marcadas por grandes manifestações.

O principal partido de oposição, o Movimento Nacional Unido (MNU) do ex-presidente Mikheïl Saakashvili, forjou uma aliança com todas as outras formações de oposição com a promessa de formar um governo de coalizão em caso de vitória.

A principal artéria da capital foi transformada em um mar de bandeiras georgianas, enquanto os manifestantes se reuniam em frente ao parlamento.

"Exigimos a substituição da administração eleitoral totalmente desacreditada e a realização de uma nova votação", disse à AFP uma responsável do MNU, Salomé Samadachvili, acrescentando que "isso permitiria ao país manter a estabilidade".

O primeiro-ministro Guiorgui Gakharia assegurou que as eleições marcaram "outro momento importante no desenvolvimento democrático da Geórgia", criticando a oposição por organizar manifestações em massa em meio à epidemia de covid-19.

Guirgui Gakharia, que testou positivo para o coronavírus, está em quarentena há uma semana e anunciou um toque de recolher noturno em várias grandes cidades a partir de segunda-feira.

A composição exata do parlamento ainda não é conhecida.

im/tbm/mab/mr