Milhares de partidários de Trump se reúnem em Washington

Thomas WATKINS
·2 minuto de leitura
Seguidores do presidente em final de mandato dos Estados Unidos, Donald Trump, reuniram-se em Washington, em 6 de janeiro de 2021

Milhares de seguidores do presidente em final de mandato dos Estados Unidos, Donald Trump, estão reunidos nesta quarta-feira (6), no centro de Washington, D.C., para fazer uma demonstração de força no dia em que o Congresso deve certificar sua derrota nas eleições de novembro.

Desafiando as diretrizes sanitárias, partidários do magnata republicano procedentes de todo país se aglomeravam sem máscara no metrô, em seu caminho rumo à capital, que volta a proteger suas vitrines com barricadas, temendo possíveis distúrbios.

Os partidários do republicano disseram estar respondendo ao chamado de Trump para se manifestarem hoje na capital.

Katherine Caldwell, de 61 anos, e seu marido chegaram do Oregon, para apoiar Donald Trump nesta empreitada.

"Roubaram a eleição, tenho total certeza disso, diz esta mulhyer à AFP, que usa um chapéu branco de coubói e agita uma bandeira vermelha com a frase "Trump é meu presidente".

Outros presentes levavam cartazes, nos quais se lia "Parem o roubo", o grito de guerra daqueles que estão convencidos de que a eleição de 3 de noviembro foi fraudada, apesar das negativas dos tribunais e de autoridades eleitorais.

Trump confirmou que falará no comício, pedindo a seus seguidores que "cheguem cedo" para seu discurso das 11h (13h em Brasília), previsto para acontecer em uma esplanada perto da Casa Branca.

No mês passado, o presidente tuitou que seus seguidores deveriam se reunir em Washington, para o que prometeu que seria um dia de protestos "selvagens".

Grande parte do centro da capital foi murado, com estabelecimentos comerciais fechados pela pandemia e pelos temores de que se repita a violência que abalou a cidade durante as marchas por justiça racial no ano passado.

Mais da metade dos eleitores republicanos acredita que Trump venceu a corrida à Presidência, ou não tem certeza de quem venceu, de acordo com uma pesquisa realizada em dezembro passado por pesquisadores das principais universidades americanas, incluindo Harvard.

Muitos manifestantes têm esperança em uma surpresa de última hora que mantenha Trump no poder depois de 20 de janeiro, data da posse de Biden.

"Trump ganhou com folga. Há provas mais do que suficientes", acredita Matthew Woods, de 59 anos, da Califórnia.

Anthony Lima, também da Califórnia, disse que viajou para Washington, porque queria ver o que estava acontecendo com seus próprios olhos.

"Muitas agências de notícias não nos dizem a verdade", criticou.

"Estou aberto a acreditar que Joe Biden e Kamala Harris venceram a eleição. Só quero uma investigação", completou.

wat/jm/ad/lda/rsr/tt