Milhares de pessoas são evacuadas no leste da Austrália após ciclone

Sydney (Austrália), 30 mar (EFE).- As autoridades australianas ordenaram nesta quinta-feira a evacuação de milhares de pessoas em várias zonas do litoral do nordeste do país pelo risco de inundações após a passagem na terça-feira do ciclone Debbie.

O ciclone foi rebaixado a tempestade tropical pouco após tocar a terra no estado de Queensland, mas o temporal continuou com fortes ventos e fortes chuvas que se estenderam em direção ao sul até Nova Gales do Sul.

Os serviços de emergência desse estado ordenaram a evacuação "imediata" de moradores nas localidades de Lismore, Murwillumbah e Tweed Heads temendo que as inundações piorem durante a noite.

O Escritório de Meteorologia prevê que o nível do rio Wilsons, em Lismore, cidade de mais de 25 mil habitantes que já está inundada, aumente 11 metros na manhã de sexta-feira, acima do registrado em cheias anteriores, em 2001 e 2005, segundo a emissora "ABC".

Em Queensland, caíram fortes chuvas na capital, Brisbane, e na cidade turística de Sunshine Coast, para onde são esperados novos temporais, o que levou o serviço de meteorologia a recomendar que moradores tomem precauções.

As autoridades de Queensland mantiveram a ordem de fechamento das escolas e creches no sul do estado até sexta-feira, quando está previsto que o temporal que deixou uns 11 mil casas e comércios sem eletricidade diminua.

Também deixaram de operar as salas judiciais, as universidades e os parques de diversões nas zonas afetadas de Queensland, enquanto as companhias aéreas Virgin e Qantas cancelaram vários voos com destino à região, segundo a agência local "AAP".

No norte de Queensland, a área mais afetada pelo ciclone, as autoridades reabriram trechos de estrada bloqueados para facilitar as tarefas de limpeza e o envio de ajuda, enquanto trabalham para evacuar cerca de três mil pessoas isoladas na ilha Hamilton.

Em Daydream, outra ilha do arquipélago Whitsundays, foram evacuados mais de cem hóspedes e trabalhadores.

O primeiro-ministro, Malcolm Turnbull, inspecionou a região e as tarefas humanitárias, das quais participam 1.300 soldados, além de aviões, helicópteros e um navio da marinha.

As autoridades avaliam o impacto econômico nos setores turístico e agrícola do ciclone, que foi declarado como "catástrofe" pelo Conselho de Seguradoras da Austrália.

O Debbie foi o ciclone mais potente a afetar Austrália desde o Yasi, que em 2011 causou vários danos no litoral. EFE