Milhares de russos se despedem do último líder soviético Gorbachev, "o pacificador"

Por Andrew Osborn e Filipp Lebedev

MOSCOU (Reuters) - Milhares de russos passaram neste sábado pelo caixão aberto de Mikhail Gorbachev, o último líder da União Soviética, com muitos dizendo que queriam honrar sua memória como "o pacificador" que desmantelou o totalitarismo e lhes deu sua liberdade.

Gorbachev, que liderou os soviéticos de 1985 a 1991, morreu na terça-feira aos 91 anos. Seu corpo ficou exposto no grande Salão das Colunas no centro de Moscou, seguindo a tradição de líderes anteriores, como Vladimir Lenin e Josef Stalin.

O homem carinhosamente conhecido como “Gorby” no Ocidente e que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 1990 por seu papel no fim da Guerra Fria foi então enterrado no famoso cemitério Novodevichy de Moscou, ao lado de sua esposa Raisa, que morreu em 1999.

Dmitry Muratov, editor-chefe do jornal Novaya Gazeta e também vencedor do Prêmio Nobel da Paz, liderou uma coluna de enlutados carregando um retrato de seu amigo.

Um padre leu uma breve oração antes de uma banda militar tocar o hino nacional russo, que tem a mesma melodia do hino soviético, enquanto o caixão de Gorbachev era enterrado. Um guarda de honra disparou três tiros para o ar.

Mais cedo, ladeado por dois membros do regimento de elite do Kremlin empunhando rifles e com os 54 lustres do salão emitindo apenas um brilho fraco, o corpo do ex-presidente jazia em um caixão aberto com o rosto e a parte superior do corpo visíveis.

Russos de todas as idades se enfileiraram pelo corredor e colocaram flores em um pedestal ao pé do caixão e roubaram um olhar breve e final enquanto uma música sombria tocava e um retrato gigante em preto e branco de Gorbachev olhava para baixo da parede.

(Reportagem adicional de Gabrielle Tétrault-Farber e Kevin Liffey)