Milhares vão às ruas em Mianmar desafiando Forças Armadas, que procuram 7 ativistas

·4 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - No oitavo dia seguido de protestos contra o golpe de Estado em Mianmar, dezenas de milhares de pessoas foram às ruas neste sábado (13) desafiar as Forças Armadas, que avisaram que estão à procura de sete ativistas acusados de ameaçar a estabilidade nacional por seus comentários nas redes sociais. Entre os procurados, está Min Ko Naing, que liderou os protestos reprimidos violentamente em 1988 e apoiou as atuais manifestações e a campanha de desobediência civil. Os militares tomaram o poder em 1º de fevereiro e prenderam a chefe do governo e principal líder civil do país, Aung San Suu Kyi, o presidente Win Myint e outras autoridades da Liga Nacional pela Democracia (LND), que havia vencido as eleições. A crise no país asiático pôs fim à recente transição democrática após reacender a tensão entre o governo civil e as Forças Armadas -que comandaram o país entre 1962 e 2011- e gerou preocupação pela volta à antiga era de repressão. Segundo informou a junta militar neste sábado, as pessoas devem avisar a polícia se virem um dos sete ativistas procurados e serão punidas se os protegerem. Os casos estão sendo enquadrados em um artigo do código penal que era frequentemente usado pelas juntas anteriores e que impõe penas de até dois anos de prisão por comentários que possam causar alarme ou "ameaçar a tranquilidade". Uma das procuradas respondeu aos militares em sua página no Facebook, onde tem mais de 1,6 milhão de seguidores. "Tenho tanto orgulho de ser procurada com Min Ko Naing. Peguem-me se forem capazes", escreveu. De acordo com a Organização das Nações Unidas, mais de 350 pessoas já foram presas em Mianmar desde a tomada do poder pelos militares. A jornalista Shwe Yee Win, que cobria a oposição ao golpe, foi levada por soldados na quinta (11), e sua família não teve notícias dela. "Ela não conseguiu nem colocar os sapatos antes de a levarem", disse a mãe dela, Thein Thein, que ficou cuidando do neto de 1 ano. O governo de Mianmar não respondeu aos pedidos de comentários da agência Reuters. Para tentar impedir a prisão de ativistas, manifestantes montaram comitês de vigilância cidadã, que desafiam o toque de recolher, válido a partir das 20h, e vão às ruas ao sinal de operações policiais em busca de dissidentes. Em Pathein (no sul do país), centenas de pessoas marcharam à noite em direção ao hospital público, algumas armadas com varas ou barras de ferro, para tentar defender o responsável médico do hospital, depois que souberam que havia sido preso pelo Exército. O médico, que se unira ao movimento de desobediência civil lançado nas primeiras horas após o golpe, foi detido enquanto atendia um paciente. Em Rangoon, médicos, estudantes e funcionários do setor privado marcharam por uma das principais avenidas da cidade, também desobedecendo a proibição de se reunir. "Retornaremos ao trabalho somente quando o governo civil da 'Mãe Suu' Kyi for restabelecido. Pouco importam as ameaças", declarou à agência AFP o médico Wai Yan Phyo, 24, antes de a multidão se dispersar. Desde o golpe, a opositora Suu Kyi não foi vista em público. De acordo com membros da LND, ela está em prisão domiciliar, mas se encontra "bem de saúde". A ativista e vencedora do Nobel da Paz de 1991 continua extremamente popular, apesar dos danos à sua reputação internacional devido à situação da minoria rohingya. Houve protestos também em outras cidades, com jovens que cantavam rap e dançavam "coreografias anti-golpe". A maioria dos protestos foi pacífica, mas a tensão era palpável. As forças de segurança dispersaram brutalmente uma manifestação no sul do país. Várias pessoas ficaram levemente feridas por balas de borracha e pelo menos outras cinco foram detidas. CRONOLOGIA DA HISTÓRIA POLÍTICA DE MIANMAR 1948: Ex-colônia britânica, Mianmar se torna um país independente 1962: General Ne Win abole a Constituição de 1947 e instaura um regime militar 1974: Começa a vigorar a primeira Constituição pós-independência 1988: Repressão violenta a protestos contra o regime militar gera críticas internacionais 1990: Liga Nacional pela Democracia (LND), de oposição ao regime, vence primeira eleição multipartidária em 30 anos e é impedida de assumir o poder 1991: Aung San Suu Kyi, da LND, ganha o Nobel da Paz 1997: EUA e UE impõe sanções contra Mianmar por violações de direitos humanos e desrespeito aos resultados das eleições 2008: Assembleia aprova nova Constituição 2011: Thein Sein, general reformado, é eleito presidente e o regime militar é dissolvido 2015: LND conquista maioria nas duas Casas do Parlamento 2016: Htin Kyaw é eleito o primeiro presidente civil desde o golpe de 1962 e Suu Kyi assume como Conselheira de Estado, cargo equivalente ao de primeiro-ministro 2018: Kyaw renuncia e Win Myint assume a Presidência 2020: Em eleições parlamentares, LND recebe 83% dos votos e derrota partido pró-militar 2021: Militares alegam fraude no pleito, prendem lideranças da LND, e assumem o poder com novo golpe de Estado