Militantes assumem responsabilidade por ataque a bombas e tiros a hotel da Somália

Abdi Sheikh e Feisal Omar
·1 minuto de leitura

Por Abdi Sheikh e Feisal Omar

MOGADÍSCIO (Reuters) - O que se suspeita ter sido um carro bomba suicida explodiu neste domingo na capital da Somália e foi seguido de um tiroteio entre militantes e forças de segurança em um hotel, causando um número ainda desconhecido de mortes, afirmaram testemunhas e autoridades.

O grupo militante islâmico Al Shabaab, ligado a Al Qaeda e que geralmente realiza bombardeios em sua guerra contra o governo somali, reivindicou responsabilidade pelo ataque em sua estação de rádio.

Um jornalista da Reuters viu forças de segurança cercarem a área, onde carros são inspecionados a caminho do aeroporto e políticos regularmente se reúnem no hotel.

O porta-voz da polícia Sadik Ali disse que muitas pessoas haviam sido resgatadas do hotel Afrik.

O Al Shabaab quer governar a Somália segundo sua interpretação da sharia.

Não houve nenhuma reação imediata por parte de funcionários somalis ou da missão de manutenção da paz da União Africana (UA), que apoia o governo contra al Shabaab.