Militar que participou de atentando em Brasília já visitou Bolsonaro e Mourão

Um dos extremistas que invadiu a sede dos três Poderes neste domingo, o militar da reserva Marcelo Soares Corrêa, já se encontrou com o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e mantinha uma aparente relação de proximidade com o ex-vice-presidente Hamilton Mourão (Republicanos-RS). Mais conhecido como Cabo Corrêa, o golpista já havia participado de outro episódio de invasão, em 2016, no plenário da Câmara dos Deputados. Além de encontros presenciais, ele também publicava uma série de fotos nas redes sociais ao lado da dupla.

Após atos golpistas: bolsonaristas radicais deixaram acampamento em Brasília às pressas para escapar de prisão

'Sistema vai cair': procurador de vídeo postado por Bolsonaro já esteve em live de Eduardo e defende golpe abertamente

Em julho de 2022, ele relembrou o momento que esteve ao lado de Bolsonaro com um post em sua conta no Instagram. O usuário dele na plataforma, inclusive, foi privado depois da polêmica com a lista de invasores em Brasília. O registro junto ao ex-presidente já chegou, inclusive, a ser a foto de perfil de Cabo Corrêa no Facebook, em agosto do ano passado, quando estava em campanha para deputado federal pelo Rio de Janeiro, filiado ao Partido da Mulher Brasileira (PMB).

O nome de Corrêa aparece em duas agendas de compromissos do Planalto durante o mandato de Bolsonaro e Mourão, disponível para consulta online. De acordo com o site do Governo Federal, o bolsonarista visitou o palácio — onde está situado o gabinete do vice-presidente da República — em 2019 e 2020 para reuniões com o general. O assunto dessas visitas, no entanto, não foi relatado nos registros oficiais.

Da primeira vez, ele estava acompanhado de Renata Nogueira O'Donnel, então candidata ao governo do Rio pela mesma legenda de Mourão à época, o Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB). Na segunda ida ao Palácio do Planalto, ele estava na companhia do então deputado federal Lourival Gomes (PSL/RJ) e do coronel Ricardo de Carvalho Jorge.

Em declarações públicas, Marcelo Corrêa diz ter estado no Exército entre 1982 e 1990, quando teria conhecido Bolsonaro e o senador eleito, Hamilton Mourão. De acordo com informações obtidas no portal da Transparência do Governo Federal, ele não tem vínculo com as Forças Armadas.

Ex-candidato, doadores de Bolsonaro e cabos eleitorais: a lista dos presos após os atos terroristas

O nome de Corrêa está na lista dos 56 manifestantes que invadiram a Câmara dos Deputados no dia 16 de novembro de 2016. Há pouco mais de seis anos, ele rompia a barreira de segurança do Congresso Nacional pela primeira vez e gravava vídeos celebrando a entrada não permitida ao interior da Casa Legislativa. Até esta quarta-feira, ele ainda não havia aparecido nas relações de presos divulgadas pela Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal (Seape-DF).