Militares compartilham vídeo que mostra ação da PM no Planalto contra invasores

Militares têm compartilhado um novo vídeo da ação para conter terroristas que invadiram o Palácio do Planalto para defender o comandante do Batalhão da Guarda Presidencial, coronel Paulo Jorge Fernandes da Hora, alvo de críticas por sua atuação nas manifestações golpistas do dia 8 de janeiro. A ação ocorre após gravações do interior do Palácio do Planalto mostrarem uma discussão do oficial com policiais militares no momento em que os invasores eram detidos.

Carpete urinado e quadros rasgados: relatório do Senado detalha destruição deixada por golpistas; veja as fotos

Bela Megale: Conselheiros de Lula defendem cooperação com EUA para investigar Bolsonaro

Na quinta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva acusou "gente das Forças Armadas" de ter sido conivente com a ação no Planalto e afirmou estar convencido de que "a porta foi aberta para essa gente entrar".

O vídeo que tem sido distribuído pelo WhatsApp foi gravado de dentro do segundo andar do Planalto e mostra policiais mandando os detidos se sentarem e ficarem em silêncio. Uma mulher, que estaria passando mal, se levanta e anda em direção aos agentes. Um policial, contudo, dá uma rasteira e a derruba no chão de forma violenta. Nesse momento, um militar do Exército vai em direção aos policiais e conversa com eles. Mesmo assim, a mulher é levada dali com as mãos para trás.

"Vendo esta abordagem inadequada, o coronel do EB sai de onde estava, vai em direção dos PMs e recrimina a conduta incorreta deles, já que a cidadã já estava rendida e não oferecia mais nenhuma ameaça aos militares e ao palácio. O coronel foi um herói e agiu conforme a lei", diz a mensagem que tem sido encaminhada.

Nos últimos dias, outros vídeos foram divulgados com críticas à ação dos militares. Em um deles, um policial militar reclama com um coronel do Exército, dizendo que "está todo mundo preso" e que ninguém pode descer. Em resposta a essa gravação, o Exército afirmou que o vídeo estava "fora de contexto" e que "quando a Polícia Militar do DF adentrou no local, a situação já estava controlada pela tropa do Exército, com os manifestantes sob custódia".