Militares juram defender Constituição, não um líder, diz chefe do Comando Sul dos EUA

·3 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em sua última visita ao Brasil à frente do Comando do Sul dos Estados Unidos, o almirante Craig Faller afirmou que as Forças Armadas americanas são uma instituição apolítica e que os militares não juram lealdade a um líder, mas à Constituição do país.

"Após meus encontros com os contrapartes brasileiros, acredito que eles têm a mesma visão sobre o que são militares profissionais", disse o americano nesta quinta-feira (23), destacando que não veio ao Brasil para discutir temas políticos.

Responsável pelo comando militar do Departamento de Defesa que atua na América Latina e no Caribe, Faller conversou durante cerca de 30 minutos com um grupo de jornalistas em Brasília.

O foco da viagem do almirante é a cooperação militar com o Brasil, o que inclui acordos, exercícios conjuntos e formação de oficiais.

O alto comandante americano chega ao país cerca de duas semanas após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ter liderado manifestações de cunho golpista no feriado de 7 de Setembro.

Na ocasião, o mandatário ameaçou o STF (Supremo Tribunal Federal) e o presidente da corte, Luiz Fux. Dias depois, divulgou uma carta em que fazia um recuo tático.

Ao longo dos últimos meses, Bolsonaro também promoveu uma escalada de declarações autoritárias que geraram tensão entre opositores e governadores. Ele chegou a questionar a realização das eleições em 2022 e a afirmar que só será derrotado em caso de fraude. Causou apreensão, ainda, a adesão de policiais militares ao bolsonarismo e as falas do mandatário sobre as Forças Armadas.

Em mais de uma ocasião neste ano, Bolsonaro usou a expressão "meu Exército", o que gerou críticas por ser interpretada como uma tentativa de politizar a instituição. Ele também se referiu às Forças Armadas como "poder moderador" --apesar de decisão do STF estabelecer que militares não têm essa atribuição.

Faller foi questionado por jornalistas nesta sexta sobre as declarações de Bolsonaro que indicavam politização das Forças Armadas brasileiras. Num primeiro momento, ele argumentou que o propósito da visita a um "parceiro estratégico importante" é tratar "do progresso feito nos últimos três anos [período em que ele chefiou o Comando do Sul]" no relacionamento militar entre os países, "olhando para frente".

Em seguida, no entanto, detalhou como vê o funcionamento das instituições militares nos EUA.

"Uma das coisas que me agradam nas Forças Armadas dos EUA, uma das razões pelas quais eu permaneci nelas por tanto tempo, é que nós somos apolíticos. Nós fizemos um juramento à Constituição e temos lealdade a ela. Após meus encontros com os contrapartes brasileiros, acredito que eles têm a mesma visão sobre o que são militares profissionais", afirmou.

"Eu não vim [ao Brasil] para falar de política nem levantei temas políticos nas minhas conversas."

Questionado qual é, em sua visão, o propósito das Forças Armadas num regime democrático, Feller respondeu que elas devem defender a Constituição e que o juramento dos militares não é ao líder da vez.

"O propósito das Forças Armadas é defender a Constituição, é o nosso juramento. Não é um juramento a qualquer líder. Pela Constituição americana, o líder democraticamente eleito é também o comandante em chefe das Forças Armadas. Nós seguimos as ordens legítimas. E, nos quatro anos [do governo Donald Trump] antes da posse do novo comandante em chefe [Joe Biden], foi exatamente o que fizemos", disse.

Diante de novas perguntas sobre se militares deveriam participar de demonstrações políticas, Faller foi duro: "Acho que já fui bastante claro que uma das coisas que eu absolutamente respeito sobre ser militar há 38 anos é nossa natureza apolítica".

Em maio, o general da ativa Eduardo Pazuello participou de um ato político no Rio de Janeiro.

Sob pressão de Bolsonaro, o comandante do Exército, general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, decidiu livrar o ex-ministro da Saúde de qualquer punição. Além disso, o ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, participou de atos políticos pró-Bolsonaro, inclusive nas manifestações de 7 de Setembro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos