Militares repreendem vice de Bolsonaro por declarações polêmicas

Henrique Barreto/Futura Press

O candidato a vice na chapa de Jair Bolsonaro, general da reserva Antônio Hamilton Mourão, foi repreendido por militares por causa de declarações dadas nos últimos dias – eles entendem que as falas de Mourão prejudicam a candidatura. Bolsonaro aparece em primeiro lugar na última pesquisa Ibope, com 28% das intenções de voto.

O candidato do PSL está internado desde o último dia 7 no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, depois de sofrer um atentado em Juiz de Fora (MG). Por isso, está fora da campanha nas ruas e só voltou a se pronunciar no último domingo (16), ao falar em seu Facebook.

LEIA MAIS:

Após Ibope, Haddad diz que está ‘louco para chegar esse segundo turno’

“Eleitor está junto com Bolsonaro porque está com medo do PT”, diz Alckmin

Bolsonaro, crítico às urnas, se elegeu com elas

Nesse contexto, Mourão ganhou mais protagonismo e deu declarações polêmicas que causaram desconforto em integrantes da campanha.

Em uma palestra em São Paulo, por exemplo, usou o termo “mulambada” para se referir a parceiros do Brasil na política externa com países do Hemisfério Sul, empreendida nos governos Lula.

Segundo o vice de Bolsonaro, “nós nos ligamos com toda a mulambada, me perdoem o termo, do lado de lá e de cá do oceano na diplomacia Sul-Sul”.

No mesmo discurso, disse que famílias em que mães e avós criam os filhos, em áreas carentes, acabam virando “fábrica de elementos desajustados que tendem a ingressar nessas narco-quadrilhas”.

Ao Globo, um militar muito próximo de Mourão disse que as declarações “não agregam valor a uma campanha”. “São brincadeiras que não fazem bem (…) Ele falou bobagem”, disse.