Milton Gonçalves estreou no teatro como rei, pai de menina branca de olhos azuis; em entrevista, ele contou: ‘Eu era pintado’

O primeiro trabalho artístico de Milton Gonçalves foi numa peça de teatro, em São Paulo, em que substituiu o ator protagonista, que faltava muito. De tanto ler seu texto, Milton o sabia de cór. E entrou em cena como o re. Com um detalhe: ele era pai de uma menina branca de olhos azuis. O ator revelou a curiosidade numa entrevista ao EXTRA, em 2018, na ocasião do lançamento da novela “O tempo não para”, em que interpretou Eliseu Emerenciano, seu último papel em novelas, na TV Globo.

— Eu trabalho desde os 6 anos, e desde esses tempos eu luto para o meu engrandecimento e o da minha família. Com o correr do tempo, fui aprendendo algumas coisas sobre a vida. As portas se abriram pra mim através do (ator e diretor) Egídio Eccio, em São Paulo. Me chamaram para fazer teatro, e acabei fazendo uma peça onde o ator principal faltava muito. Eu sempre lia o texto dele. Um dia, me convocaram para fazer o papel dele, que era de um rei. Em cena, fui pai de uma menina branca dos olhos azuis. Eu era pintado de branco e fazia — contou Milton, complentando: — Isso me marcou muito. Eu já tive muitos medos, inclusive medo de ser agredido. O teatro virou de arena, com grandes nomes. Uma série de pessoas foi me ensinando várias coisas de forma qualitativa, eu sempre tive muita vontade de aprender. Viajei muito e vim para o Rio há mais de 60 anos, pensando comigo: ou aprendo ou volto pra casa.

O veterano não gostava de responder sobre a questão racial na televisão, mas não deixava de se posicionar quando questionado.

— Eu não gosto de falar isso, mas é o que existe. A questão racial me incomoda muito. Essa coisa de julgar alguém por ser branco ou menos branco, mais negro ou menos negro... Eu quero dar vida a um personagem, e isso que é importante. Ultimamente, tenho visto muitos filmes americanos, de 30 anos atrás, em que os atores negros americanos faziam personagens que em outra época jamais fariam. Eu vou ficar feliz no dia em que nós elegermos um presidente negro no Brasil. No dia em que elegermos um negro para a presidência da Câmara Federal, eu ficarei feliz. No dia em que nós elegermos três senadores negros, eu ficarei feliz.

Millton Gonçalves nasceu em 9 de dezembro de 1933, na pequena cidade de Monte Santo, em Minas Gerais. Filho de camponeses, mudou-se com a família ainda pequeno para São Paulo, onde foi aprendiz de sapateiro, de alfaiate e de gráfico. Fez teatro infantil e amador e estreou profissionalmente em 1957, no Arena, na peça Ratos e Homens, de John Steinbeck. Seu último trabalho foi a série “Filhas de Eva”, para o Globoplay, gravada no final de 2019 e lançada em 2021.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos