Peru anuncia programa de 20 mil empregos temporários por inundações

Lima, 1 abr (EFE).- O governo do Peru lançará no dia 10 de abril um programa que permitirá a criação de mais de 20 mil empregos temporários nas regiões afetadas pelas chuvas, inundações e deslizamentos que ocorrem no país, informou neste sábado o primeiro-ministro, Fernando Zavala.

"Elaboramos este programa. Estamos falando de um impacto em pelo menos 20 mil pessoas com trabalhos temporários", adiantou Zavala em entrevista coletiva que contou com a participação do presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski.

Zavala disse que em algumas zonas afetadas já foi iniciada a segunda etapa do atendimento da emergência, que corresponde à reabilitação e procura atender as necessidades mínimas da população "para que seu dia a dia possa ir se normalizando".

"Isto significa que as crianças já podem ir às escolas, que a saúde possa ser tratada, e que haja circulação de pessoas. Então, isso é o que vamos fazer nos próximos 60 ou 90 dias para conseguir essas condições que os peruanos afetados necessitam", acrescentou.

O primeiro-ministro explicou que uma segunda parte compreenderá um plano de realocação de 31 mil casas afetadas e um programa de manutenção dos refúgios instalados temporariamente para acolher os prejudicados com a catástrofe.

Um terceiro aspecto focará na saúde, para conseguir que todos os hospitais e postos médicos que tenham sido afetados funcionem sem inconvenientes, além do restabelecimento do serviço de água potável em cidades como Piura, Trujillo e Huarmey.

"Já estamos tentando restabelecer isso. Estamos fazendo todo o necessário para fazer isso nos próximos dias", comentou na sede do Centro de Operações de Emergência Nacional (COEN), situado na sede do Ministério da Defesa.

Zavala afirmou que o quarto componente se refere à educação, com o objetivo de fazer com que as aulas escolares sejam retomadas no dia 17 de abril nas zonas afetadas.

O quinto elemento está relacionado à recuperação das zonas agrícolas danificadas, que estão sendo fumigadas. Os camponeses também receberão apoio para que possam reiniciar suas sementeiras e colheitas.

As chuvas e inundações no país deixaram, até o momento, 101 mortos, 19 desaparecidos e 353 feridos, de acordo com o último balanço do COEN. EFE