'Minecraft' ganha biblioteca com textos de jornalistas censurados

O Globo
·1 minuto de leitura

Os mais de 145 milhões de jogadores de "Minecraft" ganharam uma biblioteca de textos proibidos. Criada pela "Repórteres Sem Fronteiras (RSF)", a "Uncensored Library" traz uma coleção de reportagens censuradas ao redor do mundo. Entre os trabalhos selecionados pelo "Museu sem Censura", que entrou no ar no dia 12 de março, estão textos do jornalista Jamal Khashoggi, morto por agentes da Arábia Saudita em 2018.

Constrúida por 24 pessoas ao longo de três meses, a estrutura usou 12,5 milhões de blocos do jogo. Além do enorme edifício para guardar os textos, uma estátua em forma de caneta simboliza a liberdade de imprensa.

Os textos disponíveis podem ser lidos em inglês ou nas línguas em que foram escritos originalmente. A ideia de criar a biblioteca no "Minecraft" surgiu da constantação que sites de notícias, de busca e mesmo a Wikipedia são bloqueados em muitos países, mas o jogo não.

"Em muitos países, sites, mídias sociais e blogs são controlados por líderes opressores", explica o texto de apresentação no site do projeto. "Os jovens, em particular, são forçados a crescer em sistemas onde sua opinião é fortemente manipulada por campanhas governamentais de desinformação."

A biblioteca só pode ser acessada através do programa Minecraft em sua versão Java 1.14.4. O mapa para chegar no local pode ser baixado aqui.