Mineradora de bitcoin listada na Nasdaq devolve 26.200 máquinas para pagar dividas

Homem carregando ASIC, equipamento de mineração de Bitcoin.
Homem carregando ASIC, equipamento de mineração de Bitcoin.

Em relatório financeiro sobre o segundo trimestre, publicado nesta terça-feira (16), a Stronghold Digital aponta que precisou devolver 26.200 ASICs de mineração de Bitcoin para quitar dividas com seus credores. Destes, 18.700 já estavam em funcionamento, resultando na redução da taxa de hash da empresa.

A devolução acontece em um momento crítico para toda indústria da mineração de Bitcoin. Conforme noticiado pelo Livecoins, as três maiores empresas públicas do setor registraram prejuízos de US$ 7,3 bilhões no segundo trimestre deste ano.

Com o bitcoin não conseguindo romper os US$ 25.000, voltando a ser negociado na região dos US$ 23.400, o momento é de ainda mais pressão para tais mineradoras.

Stronghold devolve 26.200 equipamentos de mineração de Bitcoin

Após expansões guiadas por empréstimos, a Stronghold anunciou a diminuição de sua taxa de hash nesta terça-feira (16). No total, a empresa devolveu 26.200 equipamentos de mineração de Bitcoin para quitar uma dívida de US$ 67,4 milhões (R$ 350 mi).

“Ao devolver as máquinas à NYDIG, que serviram como garantia para os contratos de financiamento, […] seremos capazes de eliminar mais da metade do total da dívida pendente.”

Com isso, a empresa perdeu 2,5 EH/s de poder de mineração, visto que 18.700 destas máquinas já estavam em operação.

Como consequência, as ações da empresa listada na Nasdaq despencaram 33% em relação à segunda-feira (15), saindo de US$ 3,78 para US$ 2,54. Em relação a seu topo histórico, registrado em novembro do ano passado, as ações estão apresentando queda de 93%.

Indústria de mineração sofre junta

Além da Stronghold, outras empresas de mineração listadas em bolsas americanas também estão em perigo. Como exemplo, as três maiores apresentaram um prejuízo de R$ 7,3 bilhões no segundo trimestre deste ano.

O principal motivo destas perdas são empréstimos para expansão de seus negócios, somados ao mercado de baixa do Bitcoin que interrompeu a boa safra. Enquanto isso, a concorrência só aumentou no período, com o bitcoin apresentando queda em sua dificuldade apenas em maio deste ano, seis meses após o início do bear market.

Por fim, a palavra que resume a situação das mineradoras de bitcoin é reestruturação. Afinal, além da venda de seus próprios equipamentos, muitas delas também estão precisando despejar seus bitcoins no mercado aberto para equilibrar seus caixas.

Fonte: Livecoins