'Minha forma é melhor hoje do que aos 30', diz Cauã Reymond, prestes a completar 40 anos

Gilberto Júnior
Cauã Reymond na quarentena

A relação de Cauã Reymond com a quarentena não é linear. Nos bons momentos, faz lives no Instagram com personalidades como a chef Bela Gil e o ex-judoca Flávio Canto, assiste a filmes estrelados por Al Pacino, Marlon Brando e Michael Fassbender e exercita o que chama de ferramentas profissionais — que vão muito além do corpo. Nos dias em que o astral está mais baixo, se fecha um tiquinho em seu casulo para refletir. “Numa manhã dessas, acordei mexido. Estamos perdendo tanta gente para o novo coronavírus. E imagino que o número divulgado não seja preciso. Particularmente, não acredito que o governo está preparado para transmitir esses dados de forma tão certeira”, diz o ator. “Procuro saber o que está acontecendo em jornais de diversos países. Gosto de ler opiniões diferentes.”

Consciente da situação mundial, o carioca cancelou a comemoração que estava planejando para seu aniversário de 40 anos, na próxima quarta-feira. Diante das milhares de mortes causadas pela Covid-19 no Brasil, não há clima para festa. “Realmente, não estou pensando nisso. Estou preocupado com o rumo que as coisas estão tomando. Quem sabe não decido organizar algo simbólico ao fim a pandemia?”, diz Reymond. “Na profissão, aos 40, estou numa fase de ouro. Os personagens mais difíceis começaram a chegar a partir dos 35. É claro que fico lisonjeado de ser chamado de galã, mas sou ator antes desse título. E também considero que minha forma é melhor hoje do que aos 30”, observa ele, que passará a ocasião com a mulher, a modelo e apresentadora Mariana Goldfarb, e a filha, Sofia, de 7 anos, de seu relacionamento com a atriz Grazi Massafera.

É bem provável que o ator fique horas em frente ao computador acompanhando as aulas virtuais de Sofia na data. “O ensino domiciliar é trabalhoso. Não deixo simplesmente a menina ouvindo a professora e vou cuidar da minha vida. Minha filha é pequena, nem tudo consegue acessar sozinha. Aliás, nas primeiras semanas, a garota chegou a sonhar com a escola. Por mais que esteja rolando uma conexão entre a gente, ela iria preferir estar no colégio do que estar ao lado do papai ouvindo as lições com um fone”, comenta o astro. “Recentemente, fizemos uma pesquisa sobre crianças do Brasil e apareceram imagens de muitas delas em dificuldade. Foi a melhor maneira que tive de mostrar para a Sofia o quão sortuda ela é. Aproveitei para falar que não são todos que têm o que comer ou um lugar seguro para morar. Vejo isso como um ponto positivo nessa crise. Talvez, se eu não estivesse participando da educação formal dela, não teria a oportunidade de tocar nesse assunto na correria do dia a dia.”

Cauã Reymond

A paternidade foi tema central desta conversa por telefone, interrompida algumas vezes por problemas tecnológicos. O papo dava mil voltas, mas sempre retornava a esse lugar. “Ter mais tempo para estar com minha filha foi um dos motivos que me afastou das novelas nos últimos anos. Percebi que iria crescer muito mais me dedicando à Sofia. Tenho guarda compartilhada. Ou seja: não vejo a menina quinzenalmente ou apenas nos fins de semana. Realmente, sou presente, e educar gasta tempo e não é fácil. Inclusive, não tenho babá há anos. Nada me preenche mais do que ser pai.”