Ministério da Saúde é contra fechar divisas estaduais para conter o novo coronavírus

André de Souza e Renata Mariz

BRASÍLIA - O secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis, disse que a pasta é contra fechar a divisa dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro para tentar conter o novo coronavírus, que costuma provocar febre e sintomas respiratórios e já matou sete pessoas no país. As cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro foram as primeiras ter transmissão comunitária, ou seja, quando não é mais possível saber como alguém foi infectado. Mas Gabbardo destacou que outros locais também já têm esse tipo de transmissão, que se tornará cada vez mais comum.

— Não há nada que justifique o fechamento das fronteiras de São Paulo e Rio de Janeiro. Outros estados já apresentam transmissão comunitária. E a tendência é que todas as grandes cidades, capitais tenham transmissão comunitária. Não faz sentido fazer qualquer tipo de restrição para as pessoas se movimentarem dentro do pais — disse Gabbardo.

Por outro lado, o secretário-executivo, que é o número dois da pasta, abaixo apenas do ministro Luiz Henrique Mandetta, disse que a decisão de fechar divisas estaduais não é do ministério.

— Neste momento, o Ministério da Saúde não concorda com a recomendação de fechamento de fronteira dos estados. De qualquer maneira, isso ultrapassa as prerrogativas do Ministério da Saúde. Quem vai decidir é o comitê de crise, que envolve vários ministérios — disse Gabbardo.