Ministério da Saúde anuncia programa de telemedicina para municípios remotos

O Ministério da Saúde anunciou um programa para levar serviços de telemedicina a municípios em áreas remotas. Serão destinados R$ 14,8 milhões para a informatização de Unidades Básicas de Saúde (UBS) em 323 cidades, classificadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) como localizadas em áreas rurais remotas.

O programa, batizado de UBS Digital, foi anunciado na quinta-feira durante evento na sede da pasta. Na mesma cerimônia, foi assinada uma portaria que regulamenta ações de telemedicina no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

— Essa portaria, ele vem para dar atendimento e resolutividade para os locais mais longínquos. Todos os municípios com a tipologia remota, todos, sem exceção, 323 segundo o IBGE, eles vão ter direito de aderir a essa portaria, com quase 15 milhões de reais, para acessar diversos serviços — afirmou o secretário de Atenção Primária à Saúde da pasta, Raphael Câmara.

De acordo com o secretário, estarão disponíveis serviços nas áreas de cardiologia, dermatologia, endocrinologia, geriatria e oftalmologia, entre outros.

A portaria que regulamenta a telemedicina no SUS, publicada nesta sexta-feira no Diário Oficial da União (DOU), determina que o atendimento deverá garantir a "integridade, privacidade, segurança e o sigilo das informações".

Para o ministro Marcelo Queiroga, as medidas serão uma "revolução" no sistema de saúde.

— Estou certos que estamos entrando com um pé firme em uma nova era da medicina. A utilização de tecnologias de informação e comunicação fará a verdadeira revolução no sistema de saúde, trazendo mais acesso, mais eficiência, mais efetividade.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos