Ministério da Saúde anuncia projeto de saneamento básico voltado para mulheres

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 01.06.2022 - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 01.06.2022 - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Saúde anunciou nesta segunda-feira (12) um projeto com foco em mulheres que sofrem com a falta de saneamento básico. A iniciativa foi batizada de "Transformando a vida das Marias".

O lançamento do programa ocorre em meio à investida do presidente Jair Bolsonaro (PL) para tentar reverter sua rejeição junto ao eleitorado feminino, que representa 52% do total. Em desvantagem nas pesquisas, Bolsonaro é visto como o candidato que mais ataca as mulheres, segundo o Datafolha.

O governo promete fazer uma pesquisa inédita para entender o impacto do problema na vida das mulheres, promover oficinas de conscientização de gênero em áreas rurais e capacitar gestores e lideranças sobre representatividade de gênero.

A iniciativa será feita pela Funasa (Fundação Nacional de Saúde) -vinculada ao Ministério da Saúde- com apoio da Organização dos Estados Ibero-americanos. O anúncio ocorreu na sede do ministério com a participação de diversas autoridades, incluindo a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Cristiane Brito.

Durante a cerimônia, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, exaltou as mulheres e atacou a corrupção "em um passado recente". "As mulheres exercem um protagonismo imenso, e também nessas áreas de maior vulnerabilidade", afirmou.

"Em pleno século XXI, parece anacrônico nós discutirmos ainda uma situação que é tão óbvia como essa. E por que isso não aconteceu de maneira própria? Uma das justificativas é desvio de recursos públicos. É a pandemia de corrupção que se instalou em um passado recente e o desvio de recursos públicos mata mais que o vírus."

A campanha do presidente Jair Bolsonaro também tem explorado a imagem da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, para tentar conquistar o eleitorado feminino e diminuir sua rejeição.

A diretora de Saúde Ambiental da Funasa, Deborah Roberto, exaltou Michelle Bolsonaro no evento desta segunda. "Recentemente, eu vi que a nossa primeira-dama tem os olhos voltados para políticas públicas relacionadas a esse sonho, de todos as mulheres terem acesso à água", disse Deborah Roberto.

Nos eventos de Sete de Setembro, Bolsonaro voltou a fazer declarações de teor machista e entoou gritos de "imbrochável" para uma plateia de apoiadores em Brasília.

Já no debate do dia 28 de agosto, Bolsonaro se exaltou e atacou a jornalista Vera Magalhães após ser questionado sobre vacinação. Disse que ela "era uma vergonha para a sua profissão", insulto que repetiu à adversária Simone Tebet (MDB).