Ministério da Saúde anunciará amanhã posição sobre uso de cloroquina para tratar coronavírus

Renata Mariz, André de Souza e Leandro Prazeres
Governo brasileiro afirma que não há comprovação científica de problemas decorrentes desses remédios e que suspendê-los traz mais risco ao paciente

BRASÍLIA - O Ministério da Saúde informou que vai apresentar amanhã uma posição sobre o uso de cloroquina e hidroxicloroquina para tratamento de pessoas com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. A pasta coordena um grupo técnico que está avaliando a possibilidade do uso desses medicamentos, indicados para doenças como lupus e malária, para tratar doentes com Covid-19. Há parcerias com universidades de Harvard e Oxford.

— O Ministério da Saúde concluirá, até amanhã, e vai apresentar sua posição oficial em relação à utilização de cloroquina hidroxicloroquina. Isto está sendo finalizado hoje — disse João Gabbardo Reis, secretário-executivo do Ministério da Saúde.

O secretário de Vigilância em Saúde da pasta, Wanderson Oliveira, explicou que há estudos sendo feitos por pesquisadores no Brasil, assim como em várias partes do mundo. A pasta afirmou que o governo "está abrindo linhas de pesquisas para monitorar o medicamento" e destacou que os estudos são variados:

— Estamos abrindo linhas de pequisa para monitorar o medicamento. A cloroquina está sendo estudada. Pesquisa não é só de laboratório. Fazemos pesquisa aqui dentro do Ministério da Saúde. Então, todas as publicações que estão saindo, fazemos revisão de escopo, revisão sistemática, discutindo com outros atores.

Ele citou como parceiros a Universidade de Harvard, uma das mais prestigiadas do mundo, e a de Oxford. Além disso, a Fiocruz da Bahia, assim como outros parceiros, está ajudando com análise técnica de um "grande banco de dados", disse Oliveira.