Ministério da Saúde assina acordo com AstraZeneca para produção de insumos no Brasil

·1 minuto de leitura
An analyst at Fiocruz laboratory, a public health research institute, in Rio de Janeiro holds a sample of mucus to be tested for COVID-19, on March 11, 2020. - The World Health Organisation (WHO) declared the Coronavirus a pandemic with 118,000 cases in about 120  countries, and 4000 deaths. (Photo by CARL DE SOUZA / AFP) (Photo by CARL DE SOUZA/AFP via Getty Images)
Dose de vacina é preparada no laboratório da Fiocruz, no Rio de Janeiro (CARL DE SOUZA/AFP via Getty Images)

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro assinou nesta terça-feira um acordo de de transferência de tecnologia que permitirá a produção, pela Fiocruz, dos insumos necessários para a fabricação da vacina Oxford/AstraZeneca em território nacional. Com isso, o Brasil não dependerá mais da importação do chamado IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) da China.

O acordo foi assinado durante evento no Ministério da Saúde que contou com a presença do presidente e de outros ministros. O IFA será produzido pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos). Entretanto após sucessivos adiamentos as primeiras doses 100% nacionais deverão ser entregues apenas em outubro.

Leia também

— Foi uma encomenda que o Brasil fez desde o ano passado, quando começaram as pesquisas no Brasil e hoje esse sonho se materializa com a presença do Presidente no Ministério da Saúde — afirmou o ministro Marcelo Queiroga.

Para que as doses sejam entregues, a Fiocruz precisará terminar etapas de treinamento com sua equipe e elaboração da documentação técnica. O processo ainda exigirá a produção de lotes destinados a testes de comparabilidade antes da fabricação em larga escala.

O contrato de encomenda tecnológica foi formalizado entre a Fiocruz e a AstraZeneca em setembro do ano passado. Ao todo, já foram entregues 47,6 milhões de doses ao programa Nacional de imunização. Além disso a Fiocruz também estou sem o contrato para fornecimento e 50 milhões de doses da vacina previstas para serem entregues no segundo semestre.