Ministério da Saúde bloqueia envio de lotes da Coronavac suspensos até fim da investigação

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***GUARULHOS, SP, 19.04.2021 - Insumos para produção da vacina Coronavac chegam da China, no aeroporto Internacional de Guarulhos (SP). (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress) ORG XMIT: AGEN2104190954048793
***ARQUIVO***GUARULHOS, SP, 19.04.2021 - Insumos para produção da vacina Coronavac chegam da China, no aeroporto Internacional de Guarulhos (SP). (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress) ORG XMIT: AGEN2104190954048793

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Saúde informou na tarde desta segunda-feira (6) ter bloqueado, nos sistemas da pasta, 25 lotes de vacinas Coronavac que tiveram uso suspenso pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Segundo a pasta, o objetivo é evitar que as doses sejam distribuídas e aplicadas até que a agência termine as investigações sobre o caso.

A medida consta de nota técnica divulgada pelo ministério a estados e municípios. No documento, a pasta orienta ainda que os lotes interditados, que correspondem a 12 milhões de doses, sejam separados dos demais e mantidos em temperatura adequada até que haja novo parecer.

O ministério, porém, não informou quantas dessas doses já foram aplicadas..

A decisão da Anvisa por interditar os lotes de forma cautelar foi divulgada no sábado (4).

Segundo a agência, a medida ocorre porque eles foram envasados em uma fábrica da empresa chinesa Sinovac, parceira do Instituto Butantan, que não tinha sido avaliada e aprovada previamente pelo órgão na avaliação de uso emergencial da vacina.

Ainda de acordo com a Anvisa, a medida é temporária e ocorre por precaução, até que seja possível verificar se a unidade onde ocorreu o envase das doses atende às exigências atuais.

Segundo o órgão, pesquisa prévia feita pela agência apontou que a unidade também não teve parecer de outras agências internacionais parceiras, o que poderia facilitar a liberação. Com isso, novas inspeções podem vir a serem necessárias.

Em nota divulgada nesta segunda (6), o Ministério da Saúde diz ainda que o volume de doses já distribuídas ou aplicadas "estão sendo rastreadas pelas equipes técnicas responsáveis e serão monitoradas e controladas até a decisão final da Anvisa". A pasta não informa a quantidade.

A orientação é que municípios onde as vacinas já haviam sido usadas monitorem quem recebeu os lotes por 30 dias. As doses também devem ser registradas em sistemas específicos, aponta a pasta federal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos