Ministério da Saúde corrige informação falsa nas redes sociais sobre Covid-19, mas recua e apaga

CAMILA MATTOSO
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Saúde corrigiu, nesta quarta-feira (18), uma usuária do Twitter que publicou uma mensagem que dizia que o medicamento azitromicina deveria ser usado no tratamento contra a Covid-19. Estudo brasileiro publicado em setembro concluiu que o antibiótico é ineficaz para pacientes graves com a doença. O Ministério da Saúde publicou mensagem que dizia que "para combater a Covid-19, a orientação é não esperar. Quanto mais cedo começar o tratamento, maiores as chances de recuperação. Então, fique atento! Ao apresentar sintomas da Covid-19, #NãoEspere, procure uma Unidade de Saúde e solicite o tratamento precoce". Uma seguidora respondeu "azitromicina", e então o perfil do Ministério da Saúde replicou que "não existem vacina, alimento específico, substância ou remédio que previnam ou possam acabar com a Covid-19". No entanto, minutos depois a pasta apagou a publicação. Durante a pandemia, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e seus apoiadores mais radicais têm defendido o uso de medicamentos de eficácia não comprovada no tratamento do coronavírus, em especial a cloroquina.