Ministério da Saúde diz que comprará 10 milhões de testes rápidos para coronavírus

ANGELA BOLDRINI

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Saúde anunciou neste sábado (21) que irá comprar 10 milhões de testes rápidos para realizar testes do novo coronavírus em pacientes com sintomas leves.

Segundo o secretário de vigilância, Wanderson Oliveira, um carregamento de 5 milhões será distribuído aos estados em oito dias, ainda em março. Ele diz que o número chegará a 10 milhões "nas próximas semanas".

"Estamos adquirindo um número de testes significativos para que na próxima semana, daqui oito dias, tenhamos 5 milhões de testes rápidos para a distribuição em todo o Brasil", afirmou o secretário durante entrevista coletiva.

O secretário-executivo do ministério, João Gabbardo, afirmou que os testes são fruto de doação da mineradora Vale. Não foi divulgada estimativa de custo dos kits de testagem.

Atualmente, o ministério tem adotado um protocolo de testar apenas doentes com sintomas graves.

Segundo o ministério, já foram distribuídos 27 mil kits de testagem para os laboratórios estaduais.

O governo vem sendo criticado pela decisão de não ofertar testes a todos os pacientes com suspeita de infecção.

O caso da Coreia do Sul é citado como um exemplo de política de ampla testagem, que resulta num baixo índice de óbitos. Os dados mais recentes mostram que 307 mil sul-coreanos já realizaram o teste --quase que 0,6% da população.

Na Itália, que ultrapassou a China no número de mortes, foram feitos 182 mil testes até o momento, ou seja, uma cobertura de 0,3% da população.

Nesses dois países, o surto da Covid-19 começou antes da identificação de casos no Brasil e o plano de testagem ainda está em ação.