Ministério da Saúde estuda antecipar vacinação no Amazonas para conter Covid-19

NATÁLIA CANCIAN
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O Ministério da Saúde vai propor aos conselhos de secretários estaduais e municipais de Saúde um acordo para estender a reserva de doses de imunizantes contra a Covid-19 ao Amazonas. Segundo nota divulgada pela pasta, a ideia é "acelerar a aplicação de vacinas na região". A medida ocorre em meio ao alto número de casos e mortes pela doença no estado, onde circula uma nova variante do coronavírus, a P.1, e cuja capital, Manaus, enfrentou colapso recente por falta de oxigênio hospitalar. Em janeiro, cerca de 5% do total de 2 milhões de doses de vacinas da AstraZeneca importadas da Índia foi direcionado ao estado, na tentativa de diminuir a crise. O percentual foi firmado em acordo com o fórum de governadores e reaplicado recentemente na distribuição de mais doses da Coronavac. Desde então, somadas as distribuições, o estado do Amazonas já recebeu 555 mil doses de vacinas contra a Covid-19. As doses têm sido aplicadas em profissionais de saúde e idosos acima de 70 anos. Ainda em nota, o ministério diz que "estuda antecipar a vacinação da população", mas não cita como seria essa antecipação. A Folha apurou que a pasta deve propor que a reserva de 5% das doses seja mantida, com extensão da oferta para mais grupos. Também deve ser avaliada a inclusão de mais estados da região Norte, de acordo com dados epidemiológicos. A estratégia estaria atrelada à chegada de novas doses de vacinas, "de forma que não implique a falta de vacinas para os demais estados", informa a nota do ministério. "Esta medida será proposta ao Conass (Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Saúde) e ao Conasems (Conselho dos Secretários Municipais de Saúde) e implementada com o apoio do Ministério da Defesa", completa a pasta.