Ministério da Saúde orienta vacinação inicial de crianças de 3 e 4 anos por limitação de doses de CoronaVac

O Ministério da Saúde orientou nesta terça-feira, em nota técnica, que a CoronaVac seja destinada inicialmente apenas a crianças de 3 e 4 anos. Em documento enviado para estados e municípios, a pasta recomenda que sejam aplicadas doses da vacina da Pfizer em crianças de 5 anos. A alegação da pasta é a escassez de doses.

CoronaVac: Com falta de estoque, apenas oito capitais iniciaram vacinação contra Covid de crianças menores

Covid-19: Nova variante da Ômicron pode causar sintoma inédito

Stranger things: Novo estudo explica como ouvir sua música preferida mexe com o cérebro e a memória

A diretriz do ministério prevê, ainda, uma ordem para a vacinação das crianças. Segundo o órgão, as secretarias de saúde devem priorizar crianças imunocomprometidas de 3 e 4 anos, depois crianças de 4 anos e, por último, aqueles com 3 anos.

"Tendo em vista a aprovação pela Anvisa da vacina CoronaVac para o público infantil de 3 a 5 anos de idade e atualmente, as quantidades limitadas dos estoques deste imunobiológico nos estados e municípios, fica orientado o início da vacinação de forma gradual para todas as crianças imunocomprometidas de 3 e 4 anos de idade, seguida pelas faixas etárias de 4 e depois 3 anos de idade. Neste momento, as crianças a partir de 5 anos de idade, deverão ser vacinadas com a vacina Pfizer, nos esquemas já recomendados", diz a nota técnica à qual O GLOBO teve acesso.

Sobrepeso: Número de crianças que não precisam emagrecer tentando perder peso triplicou nos últimos 20 anos

A pasta pede ainda que as redes reservem a segunda dose até que os estoques sejam restabelecidos pela pasta. Na nota, o ministério afirma que está em tratativas com o consórcio Covax Facility, coordenado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), e com o Instituto Butantan.

Mais cedo, o secretário-executivo da pasta, Daniel Pereira, afirmou em entrevista coletiva que o país têm doses suficientes para iniciar a vacinação. Segundo ele, há 1,2 milhão de doses nos estoques estaduais. Ele afirmou ainda que o volume de vacinas nos municípios é ainda maior, mas não informou qual seria o quantitativo.

— A gente está verificando que alguns estados têm mais doses e uma população menor, e alguns estados que têm uma necessidade maior estão com poucas doses. Estamos vendo a possibilidade de fazer uma logística reversa, redistribuir temporariamente essas doses para os estados que mais necessitam para não faltar dose para ninguém em nenhum lugar do Brasil — afirmou Pereira pela manhã. — Estamos levantando agora a informação dos municípios, mas essas doses que estão nos estados já permitem o início da vacinação dessa faixa etária. Sem nenhum problema.

Na mesma nota, a pasta afirma que as vacinas de Covid-19 podem ser administradas em crianças acima de 3 anos juntamente com outros imunizantes do calendário vacinal.

"Em complementação, considerando que em agosto será realizada a Campanha Nacional de Multivacinação, a administração concomitante de vacinas é uma importante estratégia por contribuir para uma menor perda de oportunidade vacinal e consequentemente para melhores coberturas para as vacinas contempladas no Calendário Nacional de Vacinação", argumentou a pasta no texto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos