Ministério da Saúde pede doações de sangue em razão do novo coronavírus

André de Souza e Renata Mariz
Anvisa incluiu o coronavírus na lista de atenção para os bancos de sangue

BRASÍLIA - A redução dos estoques de sangue está preocupando o Ministério da Saúde no momento em que o novo coronavírus começa a se espalhar pelo país. O secretário-executivo da pasta, João Gabbardo dos Reis, fez um apelo para que as pessoas doem sangue. Para evitar aglomerações, ele disse que o horário poderá ser agendado. Segundo Gabbardo, em razão do novo coronavírus, houve uma redução de 30% a 40% nos estoques do Brasil, em especial em São Paulo.

— O risco de nós, ou de um familiar nosso necessitar de uma cirurgia de urgência, ir a um hospital e precisar de sangue é muito grande. O risco de um familiar nosso sofrer um acidente, ir a um hospital e precisar de sangue é bastante significativo. E os nossos bancos de sangue, em função do coronavírus, estão absolutamente desabastecidos — disse Gabbardo, que é o número dois da pasta, acrescentando: — Nos ajudem a fazer uma grande mobilização para as pessoas irem aos bancos de sangue e fazerem doação.

Não é qualquer pessoa que pode doar sangue. Segundo as regras do Hemocentro de Brasília, por exemplo, é preciso ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 51 quilos, não usar medicamentos, ter dormido pelo menos seis horas na noite anterior, não ter ingerido bebida alcoólica nas 12 horas anteriores, e não ter fumado duas horas antes da doação.

O Hemocentro do DF também proibiu a doação por 15 dias de quem tem os sintomas provocados pelo novo coronavírus, e por 30 dias após o retorno ao Brasil de pessoas que estiveram em países com transmissão do vírus.