Ministério da Saúde recomenda que mulheres adiem gravidez devido à pandemia

Paula Ferreira
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA— O Ministério da Saúde indica que mulheres posterguem a gravidez devido à gravidade da pandemia de Covid-19. Em coletiva de imprensa, nesta sexta-feira, o secretário de Atenção Primária à Saúde (SAPS), Raphael Câmara, afirmou que caso seja possível as mulheres devem esperar para engravidar. A pasta avalia ainda recomendar a vacinação para todas as gestantes.

— Outra recomendação, caso possível, é postergar um pouco a gravidez para um melhor momento em que você possa ter a gravidez de forma mais tranquila — afirmou o secretário. — Na época do zika teve uma diminuição das gravidezes no Brasil e depois aumentou, é normal. É óbvio que a gente não pode falar isso para quem tem 42, 43 anos, mas se for uma mulher jovem que pode escolher um pouco o seu momento de gravidez, o mais indicado é esperar um pouquinho até a situação ficar um pouco mais calma.

Câmara afirmou que ainda não há evidências robustas sobre o efeito da variante do coronavírus nas grávidas, mas que observação clínica indica maior impacto.

— A visão clínica mostra que essa variante tem ação mais agressiva nas grávidas— disse o secretário, afirmando que muitos médicos têm feito esse relato.

O número de mortes de gestantes e puérperas por Covid-19 no país em 2021 já representa cerca de 79,3% do registrado em todo o ano de 2020. Segundo dados apresentados pelo Ministério da Saúde em coletiva de imprensa, nesta sexta-feira, enquanto em 2020 foram registrados 546 óbitos nesse grupo, em 2021, com apenas quatro meses, foram 433.

Segundo o secretário, a pasta avalia recomendar a vacinação para todas as gestantes. Atualmente, de acordo com uma nota técnica emitida pela pasta em março, a imunização é recomendada apenas para grávidas com comorbidade. O documento afirma que a questão será atualizada de acordo com surgimento de novas evidências.

— Já estamos em um trabalho muito forte junto com a Secretaria de Vigilância em Saúde e com o Programa Nacional de Imunizações para, se for o caso, aumentar essa recomendação para todas as gestantes — disse. — Mas é importante lembrar que a gestação é, por definição, um período trombótico. Temos que ter cuidado porque algumas vacinas têm mostrado efeitos colaterais nesse sentido. Qualquer recomendação para grávida tem que ser feita com muito cuidado para não errar.