Ministério da Saúde reduz em 31% a previsão de entrega de vacinas contra Covid em maio

PAULO SALDAÑA
·2 minuto de leitura
**Arquivo**SÃO PAULO/SP, BRASIL, 22.04.2021 - Postos  de vacinação contra a Covid-19 na cidade de São Paulo (Foto. Zanone Fraissat/Folhapress)
**Arquivo**SÃO PAULO/SP, BRASIL, 22.04.2021 - Postos de vacinação contra a Covid-19 na cidade de São Paulo (Foto. Zanone Fraissat/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O novo cronograma de entrega de vacinas contra Covid-19 do governo Jair Bolsonaro (sem partido), atualizado neste sábado (24), prevê uma redução, até maio, de 31% no número de doses antes anunciadas.

De acordo com o Ministério da Saúde, o país deve dispor no próximo mês de 32,4 milhões de doses das vacinas de diferentes fabricantes. O cronograma anterior, de 19 de março, falava em 46,9 milhões.

Em entrevista neste sábado, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Otávio Moreira da Cruz, disse que colaboram para esse recuo o não recebimento dos insumos para produção dos imunizantes, questões logísticas e operacionais dos laboratórios, atraso nas entregas das doses prontas e procedimentos de aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

O governo Jair Bolsonaro tem sido criticado por não conseguir acelerar a campanha de vacinação --a gestão abriu mão de fechar contratos no ano passado, o que poderia ter garantido mais imunizantes, e o próprio presidente já criticou a vacina diversas vezes, ainda que tenha mudado de tom depois.

A pasta tem passado por constantes revisões no cronograma de entrega de vacinas. Uma das primeiras estimativas divulgadas pela pasta a governadores, por exemplo, previa 68 milhões de doses até março, o que não foi atendido.

Apesar da promessa, foram garantidos até o mês passado 26 milhões de doses, número 32% menor do que o prometido, segundo os dados atualizados pelo Ministério da Saúde.

A projeção do governo para este ano é alcançar o total de 562.912.870 doses. A maioria, entretanto, só chegará no segundo semestre. Até junho, o cronograma atualizado fala em um acumulado de 159 milhões de doses. É um número 23% menor do que da previsão anterior.

O Ministério da Saúde promete atualizar o cronograma semanalmente. O ministro Marcelo Queiroga destacou neste sábado que o país alcançou a marca de 1,7 milhão de vacinados em um dia. "Nossa campanha de vacinação tem avançado, e as doses que estavam previstas naquele calendário oficial, em função do tratado com as indústrias, naturalmente nem sempre o que é tratado é entregue", disse ele, na entrevista coletiva. O presidente Bolsonaro usou suas redes sociais no fim da tarde deste sábado para dizer que o Brasil "segue se superando" na vacinação contra a Covid-19. Segundo ele, o país se aproxima da marca de 2 milhões de doses aplicadas em um único dia. "Mais de 1,7 milhões de brasileiros foram vacinados nas últimas 24h; mais de 37 milhões no total", escreveu.

O balanço da vacinação feito na sexta (23) pelo consórcio de veículos de imprensa, formado por Folha, UOL, O Estado de S. Paulo, O Globo, Extra e G1, mostrou a aplicação de 1,74 milhão de doses em 24 horas (820,1 mil primeiras doses e 923,9 mil aplicações de segunda dose).