Ministério de Damares defende, em nota técnica, que início precoce da vida sexual leva à delinquência

Renata Mariz e Paula Ferreira
O Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, liderado por Damares Alves, promove a abstinência sexual em eventos públicos sobre gravidez na adolescência

BRASÍLIA - Uma nota técnica do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), produzida para orientar a campanha de prevenção da gravidez na adolescência que o governo vai lançar, afirma que o início precoce da vida sexual leva a “comportamentos antissociais ou delinquentes” e “afastamento dos pais, escola e fé”, entre outras consequências. A campanha de mobilização faz parte da política da ministra Damares Alves, titular do MMFDH, de incentivo à abstinência sexual entre a população mais jovem.

O ministério sustenta que ensinar métodos contraceptivos para essa população “normaliza o sexo adolescente”, tendo em vista que nem todos iniciaram a vida sexual. Cita ainda a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) como responsável por prever tais conteúdos à faixa etária em questão.