Coronavac: Ministério da Saúde diz que tem até maio para decidir se compra mais 54 milhões de doses

Eduardo Simões
·2 minuto de leitura
Funcionário segura caixa com frascos da vacina contra Covid-19 CoronaVac na sede do Butantan em São Paulo
Funcionário segura caixa com frascos da vacina contra Covid-19 CoronaVac na sede do Butantan em São Paulo

O Ministério da Saúde afirmou em nota divulgada na noite de quarta-feira que tem exclusividade contratual para a compra das doses da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, importadas e produzidas pelo Instituto Butantan e que tem até o final de maio para decidir se exercerá a opção de compra de um lote adicional de 54 milhões de doses do imunizante.

O comunicado foi divulgado cerca de 10 horas depois de o presidente do Butantan, Dimas Covas, afirmar em entrevista coletiva em São Paulo que esperava uma resposta do Ministério da Saúde sobre o interesse em exercer a opção pelas doses adicionais até o final desta semana. Ele disse que, caso não haja uma resposta, o instituto priorizará o fornecimento da CoronaVac para outros países latino-americanos.

Leia também

Na nota, o ministério também criticou o governo de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado. A entrevista coletiva em que Covas deu as declarações aconteceu no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

"O ato midiático promovido pelo governo de São Paulo, sem governança sobre o presente contrato, promove a desinformação, a divisão e a politização da saúde pública do povo brasileiro, neste momento em que alguns deveriam entender a necessidade de unir esforços contra um único inimigo, que é a Covid-19", disse a pasta.

O governador paulista João Doria (PSDB) e o presidente Jair Bolsonaro são desafetos políticos e prováveis adversários na eleição presidencial de 2022. Ambos têm trocado farpas públicas sobre a CoronaVac e a gestão da pandemia.

O novo capítulo da disputa entre ambos envolvendo a vacina contra Covid-19 acontece em meio à escassez do imunizante no Brasil e no exterior e a uma campanha de vacinação que ainda engatinha no Brasil, dado a pouca quantidade de doses.

"O contratante (Ministério da Saúde) possui até o dia 30 de maio para manifestar sua opção de compra das 54 milhões de doses adicionais. Deve-se nesse momento priorizar o cumprimento do objeto contratado", disse a pasta em comunicado, afirmando que, das 46 milhões de doses previstas até abril, o Butantan entregou 6,7 milhões até o momento.

A pasta disse ainda que "irá analisar" o ofício enviado por Covas pedindo manifestação sobre interesse nas doses adicionais e que "ainda está dentro do prazo legal previsto no contrato" para fazê-lo.

***Por Eduardo Simões