Ministério Público denuncia anestesista por estupro de vulnerável

A 2ª Promotoria de Justiça Criminal de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, denunciou à Justiça, nesta sexta-feira (15), o anestesista Giovanni Quintella Bezerra pelo crime de estupro de vulnerável, contra uma mulher que havia acabado de dar à luz, no Hospital da Mulher Heloneida Studart, no domingo (10). De acordo com a denúncia, os crimes em questão foram cometidos contra mulher grávida e com violação do dever inerente à profissão de médico anestesiologista.

Para preservar e resguardar a imagem da vítima, o MPRJ requereu sigilo no processo, bem como a fixação de indenização em favor da vítima, em valor não inferior a 10 salários mínimos, considerando os prejuízos de ordem moral a ela causados, em decorrência da conduta do denunciado.

Segundo a denúncia, Giovanni Quintella Bezerra, agindo de forma livre e consciente, com vontade de satisfazer a sua lascívia, praticou atos libidinosos diversos da conjunção carnal com a vítima, que estava sedada impossibilitada de oferecer resistência em razão da sedação anestésica ministrada. Sustenta que o denunciado abusou da relação de confiança que a vítima mantinha com ele, posto que, se valendo da condição de médico anestesista, aproveitou-se da autoridade/poder que exercia sobre ela, ao aplicar-lhe substância de efeito sedativo.

A Polícia Civil abriu nesta sexta-feira (15) um segundo inquérito para apurar outros possíveis estupros cometidos em série pelo anestesista Giovanni Quintella Bezerra, de 31 anos, no Hospital da Mulher, em São João de Meriti, e no Hospital da Mãe, em Mesquita, ambos na Baixada Fluminense. Até agora, já surgiram cinco casos.

Pouco depois das 13h30 desta sexta, mais uma paciente do médico anestesista chegou à Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam) de São João de Meriti para prestar depoimento contra o profissional. Com um bebê no colo, a mulher parecia estar abalada e não quis falar com a imprensa. Ela estava acompanhada de duas outras mulheres.

Também nesta sexta-feira, a especializada vai pontuar questões sobre os medicamentos miniaturados na vítima do estupro que deverão ser respondidas por peritos do Instituto Médico-Legal (IML) do Rio. O objetivo é saber se a mulher foi drogada excessivamente. Uma análise técnica do prontuário das três mulheres também será feita.

Quase uma semana após a prisão do médico, nenhum advogado apareceu na Deam para se inteirar da investigação. Bezerra está preso no presídio Pedrolino Werling de Oliveira, conhecido como Bangu 8, no Complexo de Gericinó, na Zona Oeste do Rio. Por segurança, ele está isolado.

Em paralelo ao inquérito policial, o Conselho Regional de Medicina do Rio de Janeiro (Cremerj) abriu um processo de sindicância contra o anestesista. O procedimento, que tem até 180 dias para ser concluído, decidirá se o médico poderá ou não manter o registro. Ele está temporariamente impedido de exercer a Medicina no estado do Rio.

A primeira etapa é uma solicitação de esclarecimentos ao médico. Ele terá 15 dias para prestar informações ao conselho. Veja os passos seguintes:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos