1 / 6

Ministério Público descobre motel clandestino em cadeia no Rio de Janeiro

Reprodução/Ministério Público

Ministério Público descobre motel clandestino em cadeia no Rio de Janeiro

O Ministério Público do Rio de Janeiro descobriu um motel clandestino na Cadeia Pública José Frederico Marques, em Benfica, na Zona Norte da cidade. Uma fiscalização realizada em 19 de fevereiro encontrou seis quartos que seriam utilizados para as visitas íntimas na penitenciária.

O MP-RJ teria recebido uma denúncia que indicava que mulheres estavam recebendo dinheiro para fazer sexo com presos da operação Lava Jato no Rio que estão presos na unidade. Os procuradores encontraram locais decorados com corações, piso de porcelanato, espelhos, banheiros, TVs e até luzes vermelhas. O órgão afirmou que vai apurar se a denúncia é verdadeira e investigar quem são os responsáveis pelos quartos.

Mordomia
Essa não é a primeira vez que são encontradas regalias para os presos em Benfica. No final do ano passado foram encontrados frios importados, castanhas, pães e camarões, alguns deles na cela do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

O MP-RJ constatou ainda que os detentos da galeria C, onde se encontrava o político, tinham camas com colchões de melhor qualidade, mais grossos do que os dos outros.

A descoberta dos privilégios causou o afastamento de Eric Ribeiro, que comandava a Secretaria de Administração Penitenciária, além da transferência do ex-governador, Sérgio Cabral, para o Paraná. Seguem no local Jorge Picciani, presidente afastado da Assembleia Legislativa do Rio, Paulo Melo, ex-presidente da Alerj, e Edson Albertassi, ex-lider do governo na Alerj.