Ministério Público do Rio denuncia homem que manteve sueca em cárcere privado no Morro da Babilônia

A 1ª Promotoria de Justiça do Rio junto ao primeiro e quinto Juizados de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher da Capital denunciou, na tarde desta segunda-feira, Rafael Lemos de Souza, por manter uma turista sueca em cárcere privado na comunidade Babilônia, no Leme, Zona Sul do Rio. A vítima conheceu Rafael Lemos de Souza em um samba na região da Pedra do Sal, na Saúde, bairro do Centro do Rio, e passou cerca de dez dias hospedada na casa do rapaz, localizada na comunidade do Leme. Ao anunciar que havia antecipado sua saída da cidade, ela foi impedida por Rafael, que foi preso em flagrante por policiais civis da Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (DEAT), com o auxílio de policiais militares da UPP Babilônia. Rafael Lemos tem outras duas passagens na polícia por violência contra mulher.

Investigação: Adilsinho queria se afastar de bicheiros e criar rede paralela de corrupção para crimes, diz PF

Relembre: Após ser resgatada de cárcere em favela no Leme, sueca voltará nesta terça-feira para Europa

De acordo com a denúncia, Rafael trancou a porta da casa e escondeu a chave para que a jovem não conseguisse sair. Além de ameaçar quebrar o telefone celular da vítima, caso ela tentasse usá-lo, Rafael também teria escondido o aparelho para que ela não fizesse contato com outras pessoas.

Aposentadoria: Alerj vai votar, nesta terça-feira, criação de plano de previdência de deputados estaduais

Diante de tal situação e depois de perceber que não poderia sair pela janela, já que a casa está localizada no alto do morro, a vítima, atemorizada, gritou por socorro na esperança de que algum vizinho pudesse ouvi-la, mas não obteve êxito. Quando conseguiu usar o telefone celular um dia depois do início do cárcere, a sueca enviou mensagens para amigos que fez no Rio relatando os fatos e pedindo ajuda.

Especialização: Lei obriga a capacitação de profissionais que vão alfabetizar crianças vítimas da zika

O promotor de Justiça Wagner Sambugaro destaca que os delitos foram praticados por razões da condição do sexo feminino, uma vez que envolve violência doméstica e familiar contra a mulher. Em audiência realizada no dia 23 de novembro, na Central de Audiências de Custódia, o criminoso teve sua prisão em flagrante convertida em prisão preventiva, em razão da extrema gravidade dos fatos.