Ministério Público do Trabalho abre investigação contra CBF

·2 minuto de leitura
RIO DE JANEIRO, RJ, 07.06.2021 - Fachada do prédio sede da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), localizada na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, após o afastamento do presidente Rogério Caboclo por suspeita de assédio sexual e moral contra uma ex-funcionária. A entidade vive outra crise, gerada entre a cúpula da entidade, comissão técnica e jogadores após a decisão de trazer a Copa América para o Brasil. (Foto: André Ricardo/Agência Enquadrar/Folhapress)
RIO DE JANEIRO, RJ, 07.06.2021 - Fachada do prédio sede da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), localizada na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, após o afastamento do presidente Rogério Caboclo por suspeita de assédio sexual e moral contra uma ex-funcionária. A entidade vive outra crise, gerada entre a cúpula da entidade, comissão técnica e jogadores após a decisão de trazer a Copa América para o Brasil. (Foto: André Ricardo/Agência Enquadrar/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após denúncia de uma secretária que acusa Rogério Caboclo de assédio sexual, o Ministério Público do Trabalho do Rio de Janeiro (MPT-RJ) abrirá uma investigação contra o presidente afastado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

O MPT tomou essa decisão na sexta (4), após a repercussão da denúncia protocolada pela funcionária à Comissão de Ética e Diretoria de Governança e Conformidade da CBF. Caberá ao procurador Artur de Azambuja conduzir o caso.

O órgão afirma, em nota à imprensa, que a violência e o assédio, segundo a Convenção 190 da OIT (Organização Internacional do Trabalho), são práticas intoleráveis no ambiente de trabalho e resultam em danos físicos, psicológicos, sexuais ou econômicos para a vítima.

“Vale lembrar, ainda, que o assédio sexual, além de constituir uma modalidade de violência e assédio baseada em gênero na Convenção da OIT, também está tipificado como crime no art. 216-A do Código Penal (Decreto-lei 2848/40)”, diz trecho do comunicado.

A pena prevista para o crime de assédio sexual, citado na nota, é de um a dois anos de detenção.

Após diligências, o MPT poderá oferecer denúncia à Justiça do Trabalho ou arquivar o caso.

No domingo, Caboclo foi afastado da presidência da entidade por 30 dias, a princípio. Ele terá que se defender no Conselho de Ética da CBF e, possivelmente, no MPT-RJ.

Após as diligências do MPT, caberá o arquivamento ou, caso contrário, oferecer denúncia à Justiça.

A autora da denúncia, que trabalhava como secretária do dirigente, detalhou os constrangimentos que sofreu.

De acordo com a funcionária, os abusos teriam começado em abril do ano passado. Ela afirma que algumas situações aconteceram diante de diretores da CBF.

Caboclo, segundo relato da funcionária à entidade, teria inventado relacionamentos amorosos dela com outras pessoas da confederação e feito perguntas de cunho pessoal.

A crise estourou na entidade há mais de um mês, quando a secretária pediu afastamento alegando motivo de saúde, mas chegou ao seu auge após a denúncia ser feita por ela na última sexta. Dirigentes de federações disseram à Folha na ocasião que a mulher tinha várias provas das atitudes do mandatário.