Ministério Público venezuelano investiga caso de jovem morto em protesto

Caracas, 7 abr (EFE).- O Ministério Público da Venezuela (MP) informou nesta sexta-feira que vai averiguar o caso de Jairo Johan Ortiz Bustamante, um jovem de 19 anos que foi assassinado na noite de quinta-feira durante uma manifestação no município de Carrizal, nos arredores de Caracas.

Em comunicado, o MP indicou que delegou o caso a dois promotores que coordenarão o trabalho com a Polícia Científica e com a Direção Técnico-científica e de Investigação do MP a fim de determinar as responsabilidades criminais.

"De acordo com a informação preliminar, aproximadamente às 10h da noite de 6 de abril, a vítima estava na manifestação (...), quando funcionários da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) e da Polícia Nacional Bolivariana se aproximaram", afirma o comunicado.

O órgão diz que o jovem foi atingido por "um disparo que lhe ocasionou a morte" e que o protesto em questão aconteceu no setor Montaña Alta, região central do estado de Miranda.

O governador e duas vezes candidato presidencial, Henrique Capriles, disse ontem que este assassinato foi cometido "por ordens" do ministro de Interior e Justiça, Néstor Reverol, "que obriga comandantes da Guarda a reprimir sem se importar com as vidas".

Milhares de opositores ao governo do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, se manifestaram ontem em Caracas e em outras oito cidades do interior do país para apoiar o parlamento em sua tentativa de retirar sete magistrados do Tribunal Supremo, a quem acusam de "golpe de Estado" por emitir duas sentenças, embora já tenham sido revogadas.

Pelo menos 19 pessoas ficaram feridas nos protestos contra o governo que se tornaram violentos na capital venezuelana, informou o prefeito de Chacao, o opositor Ramón Muchacho. EFE