Ministério da Justiça autoriza uso da Força Nacional na posse de Lula

Soldados do Exército brasileiro participaram de evento preparatório nesta terça-feira (27); Posse de Lula terá segurança reforçada no DF - Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images
Soldados do Exército brasileiro participaram de evento preparatório nesta terça-feira (27); Posse de Lula terá segurança reforçada no DF - Foto: EVARISTO SA/AFP via Getty Images

Nesta quarta-feira (28), por meio de decreto publicado no Diário Oficial da União (DOU), o Ministério da Justiça e da Segurança Pública autorizou o emprego da Força Nacional em apoio à Polícia Rodoviária Federal (PRF) na chamada Operação Posse Presidencial 2023, iniciada oficialmente nesta terça-feira (27).

A liberação para ação da Força Nacional vale até 2 de janeiro, dia seguinte à posse. A autorização é assinada pelo ministro substituto da pasta, Antonio Ramirez Lorenzo.

O emprego da Força Nacional de Segurança Pública virá em apoio à Polícia Rodoviária Federal, nas atividades de escoltas.

“A operação terá o apoio logístico do órgão demandante, que deverá dispor da infraestrutura necessária à Força Nacional de Segurança Pública”, detalha a publicação.

Uma das preocupações dos integrantes da equipe de transição, é a segurança durante a posse de Lula, principalmente depois do caso do bolsonarista George Washington de Oliveira Sousa, de 54 anos, autuado por terrorismo no sábado (24) na capital federal, ter confessado ser o responsável por um artefato explosivo que pretendia usar para tentar provocar a decretação de estado de sítio no país.

Diante dessas preocupações, nesta terça-feira (27), o governo do Distrito Federal (DF) informou que trabalha em parceria com o Exército e com o futuro governo Lula para desmobilizar o acampamento em frente ao Quartel General, em Brasília, antes da posse presidencial no dia 1º de janeiro.

Após reunião, nesta terça-feira, com os futuros ministros da Justiça, Flávio Dino, e da Defesa, José Múcio, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, afirmou que serão ampliados, nos próximos dias, os esforços para retirar a estrutura montada em frente ao Quartel General do Exército.

Ainda segundo o chefe do Executivo local, já foram retiradas 40 barracas e a ideia é que até o dia da posse haja maior redução “de forma natural”.