Ministério da Saúde não vai indicar medicamentos do kit covid para tratamento da doença em hospitais

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em discurso, com Zé Gotinha ao fundo
Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, criou grupo técnico para elaborar protocolo contra covid (Photo by NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
  • Núcleo técnico do Ministério da Saúde não vai indicar medicamentos do kit covid no tratamento contra a doença em hospitais

  • Remédios como cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina serão contraindicados em ambiente hospitalar

  • Protocolo indicará uso de anticoagulantes e corticoides

Um núcleo técnico-científico criado pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, não vai indicar remédios como cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina, redemsivir e outros sem eficácia para a covid-19, no tratamento contra a doença em ambiente hospitalar. Esses medicamentos serão contraindicados nos hospitais.

O protocolo para tratamento farmacológico do coronavírus na internação indicará o uso de anticoagulantes e corticoides no tratamento da covid-19. As informações foram divulgadas pelo jornal Folha de S. Paulo.

Leia também

O ministro, que encomendou o documento, deverá receber o material ainda nesta semana e caberá a ele decidir de que maneira e quando ele será incorporado e distribuído pela rede nacional de saúde.

Os protocolos não tratarão da utilização de medicamentos fora do ambiente hospital, já que o escopo do grupo técnico, criado assim que Queiroga assumiu o cargo, é o tratamento da covid-19 desde a chegada no hospital até o pós-covid.

O objetivo é fornecer diretrizes uniformes para o tratamento da covid-19, potencializando as chances de cura.

Os documentos foram elaborados a partir da colaboração com sociedades médicas, agregando orientações já sugeridas por elas. Dois já foram entregues a Queiroga e anunciados pelo ministro na sexta-feira (30), o de uso racional de oxigênio e o da intubação.

Os protocolos têm três partes: um fluxograma, que pode ser visualizado em tela de celular ou ser impresso e pendurado em paredes de hospitais e UTIs; um texto explicativo, mais detalhado, porém breve e objetivo; e um pequeno filme para ilustrar os procedimentos (como colocar as máscaras, etc).

O grupo, encabeçado pelo médico e professor da USP Carlos Roberto de Carvalho, deve elaborar ainda mais dois ou três protocolos.

Medicamentos sem eficácia

Um dos focos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado será questionar a aposta do governo de Jair Bolsonaro em medicamentos sem comprovação científica, como a cloroquina.

Além de serem comprovadamente ineficaz no tratamento contra a covid-19, esses medicamentos ainda causam reações adversas.